Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Duas "mulheres" em conflito

Em virtude de sua inigualável estrutura literária e de sua unidade interna indissolúvel, nenhum capítulo do Apocalipse deve ser apreciado independentemente de seu contexto.

O livro se divide em seções que se ampliam e se esclarecem mutuamente, e suas partes e contrapartes revelam em traços muito fortes a natureza e o destino de cada um dos atores implicados no grande drama dos séculos.


Um exemplo é a seção do Apocalipse que trata do julgamento de Babilônia e que abrange os capítulos 17:1 a 19:10, e sua contraparte, a seção sobre a Nova Jerusalém, que começa em Apocalipse 21:9 e se estende até o 22:9, ambas apreciadas no artigo anterior.

Ao esclarecer a declaração do anjo das pragas em Apocalipse 17:1, estas seções ampliam igualmente o significado da sétima praga (Apocalipse 16:17-21), o clímax dos juízos divinos contra Babilônia e que prepara o caminho para a posterior descida da cidade de Deus.

Além disso, a seção sobre Babilônia elabora mais plenamente o sentido da segunda mensagem angélica (Apocalipse 14:8), cuja proclamação menciona pela primeira vez a "grande cidade" sem, contudo, oferecer-nos qualquer explicação a seu respeito.

Vê-se, portanto, quão necessário é considerarmos o aspecto contextual e estrutural do Apocalipse ao lançar-nos à estimulante tarefa de interpretar suas profecias.

Porém, ao fazê-lo, devemos considerar ainda o ponto de vista teológico de sua mensagem, visto que o Apocalipse emprega amiúde expressões e temas típicos do Antigo Testamento.

Cada termo e imagem empregados no último livro da Bíblia para descrever o significado teológico da igreja de Cristo possui uma evidente conexão com as promessas e condenações pronunciadas sob a antiga aliança.

As palavras "Babilônia" e "grande meretriz" são exemplos notórios nesse sentido.

Seu uso no Apocalipse indica uma clara relação com a história do antigo Israel, considerada um protótipo ou modelo que lança preciosa luz tanto sobre a sublime vocação da igreja cristã, como de seu trágico fracasso.

Essa correspondência temática e literária com o Antigo Testamento mostra, então, uma relação baseada em tipo e antítipo entre a história do antigo Israel e a história da igreja, e é essencial para a correta interpretação de Apocalipse 17.

Tais são os princípios fundamentais que devem nos guiar na busca pelo significado bíblico da "grande meretriz" e dos demais elementos da profecia, ou seja, a necessidade de considerar o enfoque contextual e estrutural do Apocalipse e a perspectiva teológica de sua mensagem à luz do evangelho eterno.

Visões de contraste

Há algo sobre a mulher de Apocalipse 17 que imediatamente nos chama a atenção.

Suas características, que são próprias da mais extravagante das meretrizes, diferem grandemente da mulher pura de Apocalipse 12, que é representada gloriosamente, revelando sua elevada pureza, sua divina justiça e seu fundamento profético.




Necessitamos nos concentrar um pouco na impressionante visão de Apocalipse 12 e em seus antecedentes no Antigo Testamento para bem compreender o significado profético destas mulheres tão antagônicas.

O conflito dos séculos revelado. As descrições simbólicas de Apocalipse 12 incluem um grande dragão vermelho como a representação do mal, que "se deteve em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse" (verso 4).

A profecia identifica o dragão como "a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo" (verso 9). Esta descrição nos remete imediatamente ao relato de Gênesis 3, à ocasião em que Eva foi enganada pela serpente no Éden.

Com efeito, a visão de João em Apocalipse 12 é um desenvolvimento histórico da figadal inimizade de Satanás contra Cristo e Seu povo, conforme antecipada na primeira promessa de Deus:

Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. (Gênesis 3:15)

Neste pronunciamento divino está sintetizado o grande conflito cósmico entre Cristo e Satanás, tema de que se ocupa João em Apocalipse 12!

Essa batalha começou no Céu (Apocalipse 12:7-9), foi motivada pelo orgulho e autossuficiência de Lúcifer (Isaías 14:12-14; Ezequiel 28:12-17) e tem prosseguido na Terra, onde o anjo rebelde foi derrotado pela segunda vez mediante o sangue de Jesus (João 12:31-33; Hebreus 2:14)! No fim do milênio, Satanás e o mal serão erradicados (Apocalipse 20:10)!

A unidade entre o Messias e o Israel de Deus. Partindo da figura de Eva em Gênesis 3:15, a descrição de João se desenvolve para simbolizar não uma mulher literal, mas o povo da aliança de Deus.

Apocalipse 12:2 descreve, aliás, a condição singular desta mulher simbólica recorrendo às palavras do profeta Isaías a respeito de Israel. Note na comparação abaixo:




A visão de João, portanto, não tem em vista Maria, a mãe do nosso Salvador, como muitos cristãos sinceros creem, mas o povo da aliança de Deus, simbolizado pela figura de uma mulher.

Ao se concentrar, porém, no "filho varão" que nasceu da mulher, isto é, o Messias de Israel, o descendente da linhagem do povo escolhido (Ver Mateus 1:1; Apocalipse 5:5-6, 9-10), o profeta de Deus enfatiza o povo da nova aliança, a igreja de Cristo, o verdadeiro Israel de Deus (Gálatas 3:26-29)!

Note que a promessa messiânica de Gênesis 3:15 não menciona os "descendentes" da mulher, porém o seu "descendente", e este não é outro, a não ser Jesus Cristo!

Referindo-se ao concerto de Deus com Abraão, o apóstolo Paulo expressamente diz:

Ora, as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. Não diz: E aos seus descendentes, como se falando de muitos, porém como de um só: E ao teu descendente, que é Cristo. (Gálatas 3:16)

A visão de João reafirma esta grandiosa verdade ao destacar quatro grandes fatos acerca do "filho varão" em Apocalipse 12:2 e 5: Sua encarnação e Seu nascimento (I Timóteo 3:16), Sua ascensão (I Pedro 3:22) e Sua segunda vinda como Rei dos reis e Senhor dos senhores (Apocalipse 19:11-16)!

Este último fato é particularmente significativo. A expressão "que há de reger todas as nações com cetro de ferro" empregada por João é uma referência direta ao Salmo 2:8-9, uma promessa de natureza messiânica!

A soberania suprema de Cristo é a mensagem fundamental da fé apostólica. Em Apocalipse 12:5, João usa as mesmas palavras do salmista para transmitir-nos a certeza do futuro cumprimento da promessa messiânica conforme antecipado em Apocalipse 19:15!

O triunfo de Cristo. Em Apocalipse 12, João retoma o tema do grande conflito a partir da encarnação e nascimento de nosso Redentor.

Nesse tempo, Satanás arregimentou suas forças para "devorar" o filho da mulher quando nascesse. E quão dramática não foi a história do nascimento de Jesus (ver Mateus 2)?

Todavia, a despeito de todos os esforços de Satanás para matar Cristo desde o Seu nascimento e ao longo de Seu ministério terrestre, o inimigo da verdade não logrou obter nenhum êxito.

O Filho de Deus venceu! Ele desbaratou os poderes das trevas e "foi arrebatado para Deus até ao seu trono" (Apocalipse 12:5), "assentando-se à direita da Majestade, nas alturas" (Hebreus 1:3), "como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem" (Hebreus 8:2)!

Jesus Cristo é o Rei da justiça. Ele prevaleceu sobre a morte e subiu ao Céu para nossa justificação e santificação!

Por isso, "quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós" (Romanos 8:33-34)!

Quão grande é, com efeito, a esperança do crente! A aclamação da vitória celestial contra Satanás (Apocalipse 12:10-11) revela que, mediante o precioso sangue de Cristo e Sua infalível palavra, os crentes fiéis podem vencer como Ele venceu!

O alvo seguinte do dragão. Ao passo que o "filho varão" foi arrebatado para Deus até ao seu trono", a mulher "fugiu para o deserto, onde lhe havia Deus preparado lugar para que nele a sustentem durante mil duzentos e sessenta dias" (Apocalipse 12:6), um período acerca do qual voltaremos a tratar oportunamente.

Note que é o "filho varão" quem foi arrebatado para o Céu, tornando-Se o único "Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" (I Timóteo 2:5), e não a mulher, que passou a ser o alvo de todo o ódio e crueldade do dragão (Apocalipse 12:13).

Esta é mais uma clara evidência de que a mulher da profecia não pode simbolizar Maria, mas a igreja de Cristo, incluindo o seu remanescente final, "os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus" (Apocalipse 12:17).

Ao se ocupar também da dimensão mais profunda desse dramático conflito (Apocalipse 12:7-9), a visão de João ressalta que a origem das hostilidades contra o povo de Deus não provém meramente dos caprichos de homens ímpios, porém como instigados pelo ódio visceral de Satanás contra Cristo e Sua igreja.

Duas mulheres: duas igrejas diferentes

Assim, Apocalipse 12 deixa irrevogavelmente estabelecido o fato de que, na era cristã, a verdadeira igreja de Deus não é a igreja dominante, aliada aos poderes seculares, e "embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus" (Apocalipse 17:6), mas uma igreja perseguida, martirizada e, entretanto, fiel aos mandamentos de Deus e à fé em Jesus (Apocalipse 14:12).

Em Apocalipse 12:1, esta igreja é simbolizada como estando sempre "vestida do sol", ou seja, do "sol da justiça" (Malaquias 4:2), da gloriosa luz de Deus (Salmo 84:11; 104:1-2; Isaías 60:1-2; Mateus 13:43; João 8:12; Romanos 13:12-14), em evidente contraste com as vestes e adornos extravagantes da grande meretriz (Apocalipse 17:4), os quais representam sua condição moral e espiritual (Jeremias 4:30).

A mulher pura, ou a genuína igreja de Cristo, é também simbolizada com a lua sob os pés, uma figura que representa o firme fundamento da igreja tal como revelado no Salmo 89:34-37, onde o Senhor declara que Seu concerto e Sua palavra são tão inalteráveis como a lua!

A igreja está estabelecida sobre a Palavra de Deus, ao contrário da grande meretriz, a qual busca apoiar-se sobre os reis da terra, simbolizados pela besta escarlate (Apocalipse 17:1-3).

Finalmente, a mulher pura tem sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas, símbolo de vitória espiritual e de realeza. A verdadeira igreja de Cristo é chamada "sacerdócio real" (I Pedro 2:9). As estrelas simbolizam o fiel povo de Deus como um todo (Daniel 12:3).

Doze é o número do reino de Deus. Havia doze tribos na igreja do Antigo Testamento e doze apóstolos na igreja do Novo Testamento. A Nova Jerusalém tem doze fundamentos e doze portas (Apocalipse 21:12-14). Doze é também o número de tronos na igreja triunfante (Mateus 19:27-28)!

A grande meretriz, por outro lado, diz arrogantemente sobre si mesma: "Estou sentada como rainha. Viúva, não sou. Pranto, nunca hei de ver" (Apocalipse 18:7).

O anúncio de seu julgamento em Apocalipse 17 expõe, todavia, seu verdadeiro caráter e revela o terrível fim que a aguarda, justificando o urgente apelo de Deus ao Seu povo:

Retirai-vos, dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos. (Apocalipse 18:4)

Nossa investigação prossegue no sentido de identificar a origem de sua prostituição com base em seus antecedentes no Antigo Testamento.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.