quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

Declaração pede o fim das políticas deletérias em vigor

O Conselho Mundial de Saúde (WCH, na sigla em inglês), uma coalização global de organizações de saúde e da sociedade civil, emitiu em 29 de novembro de 2021 uma declaração pedindo a interrupção imediata das vacinas contra a Covid-19.

A entidade argumenta que a política de imunização em massa "viola os princípios básicos do direito consuetudinário, do direito constitucional e da justiça natural", bem como vários tratados internacionais.

"O Conselho Mundial de Saúde", afirma o documento, "é ética e legalmente obrigado a emitir esta Declaração, exigindo que governos e corporações cessem e desistam da participação direta ou indireta na fabricação, distribuição, administração ou promoção de vacinas experimentais contra a Covid-19".

O documento declara ainda "que todos os homens e mulheres têm o dever moral e legal de tomar medidas imediatas e decisivas para impedir esta experiência médica sem precedentes, que continua a causar danos desnecessários e incomensuráveis".

Para apoiar sua declaração, o WCH cita médicos e especialistas em saúde pública bem conhecidos e credenciados que contradizem a narrativa dominante e pedem o fim das políticas deletérias de combate à Covid-19, como confinamentos, uso obrigatório de máscaras e vacinações obrigatórias, que têm privado as pessoas de suas liberdades fundamentais, ao mesmo tempo que não impedem a propagação do vírus.

Leia a declaração completa aqui.

Se você ainda acredita nas boas intenções das companhias farmacêuticas e agências reguladoras, lembre-se: Uma boa saúde nunca é lucrativa, ao contrário da dependência de medicamentos. Cura de pacientes não favorece um modelo de negócios sustentável.

Se a intenção fosse proteger a saúde pública, o establishment estaria promovendo também tratamentos preventivos, não necessariamente medicamentosos, de modo a fortalecer o sistema imune e melhorar a qualidade de vida das pessoas, algo que, aliás, faz parte de nossa mensagem de saúde.

No entanto, o foco tem sido: Mais vacinas, mais reforço, por mais tempo. Tratamentos alternativos sequer são cogitados, tampouco permitidos.

Os argumentos que procuram justificar as políticas sanitárias em vigor são tão absurdos e comprovadamente falsos que apenas os intelectualmente (e espiritualmente) cegos se apegam a eles. Se você acompanha minhas postagens sobre o assunto, sabe do que estou falando.

A cobertura seletiva dos meios de comunicação e a vigilância e censura do contraditório nas plataformas de mídia social refletem a perspectiva tendenciosa e autoritária que domina o discurso oficial, inflamando preconceitos e criando estereótipos.

Desde que a Organização Mundial de Saúde declarou oficialmente o surto de Covid-19 uma pandemia global, testemunhamos um aumento extremamente alarmante do autoritarismo em todo o mundo, com reflexos permanentes e dramáticos sobre nossas vidas.

As novas medidas sanitárias anunciadas pela prefeita de Chicago, Lori Lightfoot, são um exemplo representativo deste ponto de inflexão.

De acordo com a prefeita e as autoridade de saúde da cidade, restaurantes, bares, academias e locais de entretenimento que servem comida ou bebida serão obrigados a partir de 3 de janeiro de 2022 a exigir que clientes com mais de cinco anos de idade comprovem que foram totalmente vacinados.

Sim, é isso mesmo.

As palavras de Lightfoot durante o anúncio em uma coletiva de imprensa descrevem apropriadamente a situação:

Resumindo, se você tem vivido sem ser vacinado, é hora de mudança. Se você deseja viver a vida o mais normalmente possível, com a facilidade de fazer as coisas que você ama, você deve se vacinar na cidade de Chicago a partir de 3 de janeiro. Esta ordem sanitária pode representar um inconveniente para os não vacinados e, de fato, é um inconveniente proposital.

Com a histeria em torno do ômicron, apesar do consenso cada vez maior de que esta última variante é menos severa, as políticas de confinamento estão sendo retomadas em grande parte da Europa, provocando mais indignação e protestos, como aconteceu recentemente na Holanda (o vídeo contém cenas perturbadoras):




Se tudo isso não for um sinal dos tempos, o que mais poderá ser?

Com informações do LifeSiteNews e ZeroHedge

Se você gostou desta postagem e quer apoiar o nosso trabalho, não esqueça de divulgá-la em suas redes sociais. Você também pode contribuir com este ministério clicando no botão abaixo. Sua doação permitirá que o evangelho eterno alcance muito mais pessoas em todo o mundo, para honra e glória de nosso Senhor Jesus. Que Deus o abençoe ricamente!

0 comentários:

Postar um comentário