"Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." (Ap 14:12)

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Profecias que revelam a hora do juízo - Introdução

Salvação e juízo são eventos que se complementam dentro do programa divino de redenção, pois são reflexos dos atributos de misericórdia e justiça presentes no caráter de Deus.

A cruz é a manifestação visível desses atributos. Nela encontramos a expressão divina de amor e graça e de juízo sobre o pecado (João 12:31-33).

Na cruz, amor, justiça e juízo permanecem inseparáveis.


O amor que redime também exige um tratamento adequado para o problema do mal, uma ação divina que ponha um fim a sua existência e devolva paz e estabilidade ao Universo. Por isso, a atividade realizada por Cristo no santuário celestial com base em Seu sangue (Hebreus 1:3; 8:1-2; 9:24) provê não somente perdão e reconciliação, mas também erradicação do pecado e restauração de tudo o que foi perdido por causa dele (Apocalipse 20:11-14; 21:1-5).

Gerhard F. Hasel observa que o tema do julgamento é tão predominante na Bíblia quanto o tema da salvação. Ambos são temas gêmeos, que se entrelaçam como fios desde o Gênesis até o Apocalipse e que refletem as características gêmeas da misericórdia e da justiça na natureza de Deus. Assim, não podem e não devem ser dissociados, pois, do contrário, perderiam sua plenitude e mútua complementaridade.

O juízo merece cuidadosa atenção porque envolve questões como (a) justiça divina num mundo injusto (teodiceia), (b) retribuição pelas ofensas, (c) sofrimento de inocentes, (d) a resolução do conflito entre o bem e o mal e (e) o término do pecado e do sofrimento.

Mas acima de tudo, o juízo final justifica o Criador - Seu caráter, lei e governo - na mente de todas as inteligências criadas, leais ou perdidas, obtendo por meio disso paz e segurança eternas para o Universo. É por isso que o juízo é retratado nas Escrituras como parte essencial do "evangelho eterno". (1)

Um dos grandes propósitos da mensagem do juízo proclamada pelo primeiro anjo (Apocalipse 14:6-7) é dirigir a atenção do povo de Deus para os atos finais de Cristo no santuário celestial.

Em vista da decadência moral e espiritual de nosso tempo e da indiferença à lei de Deus demonstrada por aqueles que desejam obter liberdade à custa da obediência, compreender o juízo divino deveria levar-nos a uma preparação mais decidida para a vinda de nosso Senhor, de modo que esse dia não nos surpreenda como um ladrão (Mateus 24:42-44).

Em contrapartida à escuridão e confusão que dominam o mundo, o juízo de Deus oferece esperança e certeza ao crente, pois é a derradeira fase da história da redenção que culmina com o glorioso retorno de Cristo.

O julgamento divino oferece apenas duas possibilidades: libertação, justificação e redenção, ou condenação e castigo. A primeira tem como resultado o estabelecimento do reinado soberano de Deus e o triunfo de Seu povo; a segunda expõe e destrói para sempre os poderes satânicos e apóstatas.

Nos próximos artigos vamos examinar sucintamente duas importantes profecias do livro de Daniel que revelam quando o juízo pré-advento começou. Ambas esclarecem a natureza, as implicações e a urgência da mensagem do primeiro anjo para os nossos dias.


Notas e referências

1. Gerhard F. Hasel. "Julgamento Divino". Em Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia. Raoul Dederen (Ed.). Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011, p. 904.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares

Postagens em destaque

É tempo de despertar. Antes que as três mensagens angélicas sejam proclamadas ao mundo (Apocalipse 14:6), elas devem exercer sua influência reavivadora e santificadora entre o professo povo de Deus.

A religião humanista da nova ordem. Muitos religiosos de hoje têm substituído a suficiência de Cristo pela suficiência humana, na esperança de estabelecer o reino de Deus na Terra.

A maior e mais urgente necessidade. A Testemunha Fiel e Verdadeira ainda clama a plenos pulmões pelo arrependimento e conversão de Seu povo, disposta a oferecer perdão, consagração e reavivamento espiritual.

O papel da Igreja na comunidade: uma reflexão. A ênfase na filantropia parece constituir a única maneira possível de tornar a Igreja socialmente relevante num mundo imediatista e ávido por resultados tangíveis.

A verdadeira e a falsa adoração. Ao revelar os muitos contrastes entre a verdadeira e a falsa adoração, o Apocalipse fornece informações preciosas para permanecermos fiéis a Deus e não ser seduzidos pelos apelos da religião popular.

Preparação para o Segundo Advento. O que a Bíblia ensina a respeito da preparação para o Segundo Advento? Existe alguma indicação de que precisamos fazer preparativos especiais além de expressar fé e amor ao Senhor Jesus Cristo?

Arquivo do Blog

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Seguidores

Siga-me por Email

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.
Scroll To Top