Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

O padrão do juizo e a responsabilidade moral

O caráter de cada indivíduo será avaliado segundo as obras registradas nos livros do Céu (Daniel 7:9-10) e conforme o padrão divino de conduta (Tiago 2:12). As Escrituras frequentemente mencionam os livros de registros de Deus (Êxodo 32:32-33; Salmo 69:28; Jeremias 17:1; Daniel 12:1; Malaquias 3:16; Lucas 10:20; Apocalipse 3:5; 20:12). Esses livros celestiais, cujo conteúdo revela todos os detalhes da vida do homem e sua obra, constituem grande parte das evidências diante do tribunal divino. A lei de Deus, por sua vez, estabelece o padrão moral através do qual Deus julga. Tanto o ímpio com a sua impiedade quanto o justo com a sua bondade serão levados a juízo.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Cristo, nosso Juiz

O antigo santuário hebreu era muito mais do que um local de culto. Por meio de sua estrutura e serviços, os israelitas tinham acesso ao método divino de redenção que viria por meio de Jesus Cristo. Todos os serviços típicos do santuário terrestre centralizavam-se em Jesus e revelavam de maneira extraordinariamente intensa as diferentes funções cumpridas pelo Salvador dentro do programa divino de redenção:

sábado, 25 de julho de 2015

O Dia da Expiação e o juízo

Terminamos nosso último post (clique aqui para ler) mencionando os dois tipos de serviços realizados no antigo santuário hebreu: os serviços diários, ministrados pelos sacerdotes no átrio e no primeiro compartimento do tabernáculo, chamado o Santo Lugar, e que consistiam nos sacrifícios da manhã e da tarde (Êxodo 29:38-39; Números 28:3-4); e a cerimônia anual, que ocorria no segundo compartimento do tabernáculo, chamado Santo dos Santos ou Santíssimo, e ao qual somente o sumo sacerdote tinha acesso, uma vez por ano (Levítico 23:26-32; 16).

Ao compreender o significado e a dimensão espiritual de cada um desses serviços sagrados, esperamos compreender a natureza e a plena significação do juízo pré-advento anunciado pelo primeiro anjo em Apocalipse 14:7.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

O juízo pré-advento

Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo. (Apocalipse 14:7)

A expressão "é chegada a hora do seu juízo" indica em que fase da história da redenção a mensagem do primeiro anjo é proclamada. No original, a palavra "juízo" (krisis) diz respeito ao processo de julgamento, a ação de julgar, em contraste com krima, o veredito ou sentença do julgamento, como em Apocalipse 17:1. Sem dúvida alguma, trata-se de uma parte especial do evangelho eterno destinada aos últimos dias.

terça-feira, 21 de julho de 2015

O último apelo divino

A obra do primeiro anjo consiste em proclamar ao mundo o evangelho eterno, imutável, que apresenta Jesus Cristo como a solução para a aflitiva condição humana. Almas sedentas, abatidas e desorientadas podem encontrar no evangelho a fonte única de vida e graça, obtendo não apenas o perdão, mas também a purificação e a justiça de Cristo, através dos quais podem praticar a vontade de Deus (I João 1:9; Romanos 6:17-18).

segunda-feira, 20 de julho de 2015

A PRIMEIRA MENSAGEM ANGÉLICA

Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. (Apocalipse 14:6-7)

Por meio da mensagem do primeiro anjo, a humanidade é chamada a temer, glorificar e adorar a Deus como único Criador e Redentor. A aceitação deste apelo requer de todo homem plena confiança em Deus e estrita obediência aos Seus mandamentos, pela fé em Jesus (Apocalipse 14:12).

sábado, 18 de julho de 2015

"Aqui está a perseverança dos santos"

As Escrituras declaram que "o pecado é a transgressão da lei" (I João 3:4) e que "pela lei vem o pleno conhecimento do pecado" (Romanos 3:20). Se "não há lei, também não há transgressão" (Romanos 4:15; 5:13). Logo, se não houvesse lei para transgredir, Adão e Eva não poderiam ter sido culpados de pecado, nem expulsos do Éden. Contudo, nossos primeiros pais pecaram (Gênesis 3; Isaías 43:27; Romanos 5:12), e seu pecado consistiu na desobediência de uma ordem divina expressa, de natureza eminentemente moral (Gênesis 2:16-17).

quarta-feira, 15 de julho de 2015

O suposto conflito entre lei e graça

A despeito do claro testemunho das Escrituras acerca da lei moral, muitos cristãos acreditam que a "nova lei do evangelho" suplantou a "antiga lei", comumente associada à vida civil e religiosa dos israelitas. Raciocinam que havia uma era de salvação anterior ao cristianismo baseado na obediência à lei, e uma era cristã distinta de salvação pela graça que substituiu o antigo modelo. Apesar da profunda consideração que tenho por estes cristãos, nada pode estar mais longe da verdade.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

O correto cumprimento da lei

Uma vez que a natureza da lei é espiritual, Deus só pode aceitar uma obediência espiritual. A mente carnal, por estar sob o poder do pecado, encontra-se vendida à escravidão do pecado, e, portanto, é incapaz de obedecer (Romanos 7:14). Tentativas legalistas de obedecer à lei resultam em "forma de piedade" (II Timóteo 3:5), uma prática religiosa meramente externa e formal destituída de qualquer benefício. Quando mentes carnais buscam cumprir a lei, entram em conflito com a própria lei, a qual é santa, justa e boa (Romanos 7:12).

sábado, 11 de julho de 2015

A cruz confirma a validade da lei moral

Estar sob a graça de Cristo não significa que a lei moral tenha sido abolida na cruz. Nosso Salvador não veio ao mundo condenar e abolir a lei, mas o pecado, este sim o verdadeiro vilão da humanidade (Mateus 5:17; Romanos 8:1-4; Hebreus 9:28; I João 3:4-5). É o pecado, portanto, que precisa ser definitivamente abolido, e para isto Cristo veio.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

O evangelho e a lei moral


Ao passo que o evangelho eterno é uma expressão da graça redentora de Deus (Atos 20:24), a lei moral é uma expressão de Sua vontade (Deuteronômio 10:12-13; Mateus 19:17; I João 5:3). Através da Palavra de Deus e Seu Espírito são revelados ao homem os grandes princípios de justiça, os elementos que constituem a verdadeira força de caráter expressos no santo decálogo. E desde que a lei é santa, justa e boa (Romanos 7:12) e expressão exata da perfeição divina (Salmo 19:7, comparar com Mateus 5:48), segue-se que o caráter formado pela obediência àquela lei será santo.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

A experiência da salvação

A provisão feita por Cristo por meio do evangelho é inclusiva e todo abrangente (João 3:16; I João 2:2). Tal provisão foi estabelecida nos concílios secretos do Altíssimo "antes dos tempos eternos" (Tito 1:2). Esta é a única e legítima pré-determinação de que fala as Escrituras. O propósito de Deus é salvar a todos os que pela fé aceitam a Cristo como seu Redentor (Romanos 8:29-30; Efésios 1:4-5).

domingo, 5 de julho de 2015

A ciência da salvação


Em vista da grandiosa provisão de Deus na pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, e pelo fato de o sincero arrependimento do pecado permitir a Deus, por assim dizer, perdoar e restaurar o pecador contrito que tem fé em Jesus, a mensagem do evangelho é um chamado do Céu para que homens e mulheres busquem sinceramente ao Senhor e recebam os generosos suprimentos de Sua graça.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Diagnóstico e remédio (3)

Visto ser o pecado a causa de tantas calamidades e constantes antagonismos, não é possível para um Deus santo, justo e amoroso menosprezar o pecado, esquecê-lo ou ignorá-lo. A natureza de Deus exige uma reação efetiva contra o pecado; este deve ser julgado e finalmente banido do Universo, pois nenhum governo divino seria possível se Deus tolerasse o pecado.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Diagnóstico e remédio (2)


Antes que o pecado viesse a existir, a Escritura se refere ao homem como um ser perfeito, criado para desfrutar íntima comunhão com o Criador e com o seu semelhante, pertencendo a um Deus que, unicamente, é a fonte de vida. Cada etapa da criação foi demarcada com a sentença divina de que tudo era "bom" (Gênesis 1:4, 10, 12, 18 e 25), mas no sexto dia, depois de criar Adão e Eva, Deus declarou que tudo quanto fizera "era muito bom" (v. 31), significando que homem e mulher eram tanto o clímax da criação como a imagem e semelhança de seu Criador (v. 26).

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.