sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Três razões para usar o Hinário

Quando eu era criança, lembro-me de que levar o hinário à igreja era parte da cultura adventista.

Geralmente, quem não tinha o hinário era novo na fé ou visitante, caso em que nos sentíamos estimulados a compartilhar nosso exemplar, de modo que ele se sentisse plenamente acolhido e participasse conosco da experiência de adoração.

Posteriormente, muitas igrejas passaram a disponibilizar exemplares extras do hinário destinados exclusivamente aos visitantes.

De praxe, esses exemplares ficavam sobre uma mesinha na recepção e sempre havia uma pessoa atenta que levava um hinário àqueles que, eventualmente, não o haviam recebido à entrada.

Com o tempo, a projeção dos hinos e o playback substituíram o hinário e o piano e, assim, perdeu-se um costume que inspirou gerações de adoradores.

O recurso audiovisual, embora um meio facilitador, logo se tornou fonte de frequentes constrangimentos devido à problemas técnicos ou operacionais, os quais comprometem a adoração.

Além disso, nos cultos e programações especiais da igreja, os hinos do hinário foram substituídos pela chamada música cristã contemporânea, com poesia muito pobre, letras simples e banais e um estilo que certamente exige maior resistência dos tímpanos.

Agora, a massificação, que já havia tornado muitas igrejas cristãs caricaturas de si mesmas, conquistou sua última fronteira: a igreja remanescente.

Diante desse retrocesso, sinto-me justificado a compartilhar com os leitores pelo menos três razões pelas quais convém resgatar a boa prática de ter à mão o hinário e cantar com fervor e entusiasmo seus hinos, seja na igreja, em nossas escolas ou em casa.

1. A maioria dos membros e visitantes da igreja é de origem humilde. Para muitas dessas pessoas, o hinário representa o único contato que elas terão com a música erudita.

No geral, todos somos assaltados pela cultura de massa, que nivela por baixo, desinforma e excita as paixões inferiores.

O hinário influencia no sentido oposto e seu uso pode nos proteger dos males da massificação ao estimular nossa espiritualidade, sensibilidade e bom gosto.

2. A música não é só uma forma de arte. Ela é também, e sobretudo, um veículo condutor de ideias e valores. E não me refiro somente à letra.

Gêneros musicais têm identidade própria e refletem um conceito ou valor específico.

Uma vez que a letra não tem poder de santificar a música, não importa quão cristã uma letra possa ser, se é música popular, transmitirá aos adoradores os valores desse gênero musical aos quais está intimamente associada. O meio é a mensagem! (Escrevi algo sobre isso relacionado ao evangelho. Clique aqui para conferir).

Música popular provoca excitação dos sentidos, ao passo que hinos transmitem poder; um poder que tem acompanhado os adventistas desde sua origem e do qual não podem abrir mão.

3. Conquanto fonte de deleite espiritual, os hinos são como a oração; não são dirigidos ao homem, mas a Deus. Por isso são chamados hinos de louvor ao nosso Deus.

Podemos aplicar à música de adoração o que o apóstolo Paulo escreveu sobre a pregação do evangelho:

Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo. (Gálatas 1:10).

É precisamente esta pergunta que necessitamos fazer a nós mesmos no que se refere às nossas escolhas musicais: “Meu louvor agrada a homens ou a Deus?”. Se agrada a homens, tal música não pode servir a Cristo.

O hinário não é perfeito, mas é o melhor que temos. Agrademos a Deus ao oferecer-Lhe com zelo e discernimento o melhor que temos!

Para concluir, certamente há muitas músicas cristãs com alto valor estético e conteúdo espiritual que não estão no hinário e que merecem ser igualmente estimadas. O leitor pode conferir várias delas em minha playlist.

Não obstante, nos momentos de louvor na igreja, nas capelas de nossas escolas e no culto familiar, o hinário é o mais valioso recurso à nossa disposição.

Os preconceitos quanto ao seu uso, principalmente entre os mais jovens, resultam da ignorância a seu respeito.

Como a ignorância não pode ser fonte de autoridade intelectual, recomendo fortemente o site Música Sacra e Adoração, em especial a seção Histórias de Hinos do Hinário Adventista. Depois de conhecê-las, você nunca mais verá o hinário da mesma maneira!

Se você gostou desta postagem e quer apoiar o meu trabalho, não esqueça de divulgá-la em suas redes sociais para que mais pessoas sejam alcançadas. Lembre-se, o conhecimento de nada vale se não for compartilhado.

4 comentários:

  1. Concordo plenamente. E olha que nem sou Adventista de berço. Me converti há somente 15 anos. Cantava na noite MPB, tocava atabaque no centro espírita e muitas músicas pq não são louvores, que ouço na nossa igreja hj, ferem meus ouvidos, imagino os do nosso Deus. Depois que ouvi o seminário "O dilema da distração" minha mente se abriu muito para entender as estratégias de Satanás para disvirtuar-nos do verdadeiro louvor a Deus e entendi que eu mesma já havia cometido erros na hora de escolher "louvores". Que Deus nos perdoe e ilumine.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adriana, obrigado por seu testemunho! Ele certamente vai inspirar outras pessoas que sinceramente desejam louvar a Deus corretamente. Eu também assisti ao seminário "O Dilema da Distração" e foi muito proveitoso para mim! Que Deus continue te abençoando! Um abraço fraterno de seu irmão em Cristo!

      Excluir
  2. Em sua playlist não há músicas em português. Poderia exemplificar com alguma música em nosso idioma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ellen, por seu comentário e interesse!

      Para ser bem honesto, conheço poucas músicas e interpretações em nosso idioma que podem ser consideradas louvor genuíno. Dentre elas, posso indicar-lhe dois exemplos:

      https://www.youtube.com/watch?v=gdvoR1YanRA
      https://www.youtube.com/watch?v=RUvAa9NHLks

      Espero ter ajudado! Que Deus a abençoe ricamente!

      Excluir