Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Aparência de cordeiro e voz de dragão

Pode parecer surpreendente, à primeira vista, que um poder com aparência de cordeiro possa um dia falar como dragão. Mas é exatamente isto o que a profecia declara sobre a segunda besta de Apocalipse 13, cujas características peculiares nos permitem identificá-la com os Estados Unidos da América. Um governo fala por meio de suas leis e políticas. Quando uma nação fala como dragão significa que ela adota leis e políticas que refletem o caráter dessa entidade. É evidente que a mera forma de governo não é uma garantia contra a opressão e o despotismo.


A segunda besta fala como dragão na medida em que exerce sua autoridade para favorecer a primeira besta - o papado -, impondo pela força a adoração em escala mundial deste poder redivivo (Apocalipse 13:12-14). Tal imposição é representada por uma marca ou sinal especial, que consiste no "nome da besta ou o número do seu nome", sem o qual ninguém poderá "comprar ou vender" (verso 17). Esta medida reflete um esforço sistemático para obrigar a conformidade aos ditames da imagem da besta - uma reconstrução da hierarquia papal levada a cabo pela república da liberdade!

O desafio do dragão

Apesar de sua aparência inocente, pacífica, quase cristã, simbolizada pela imagem dos dois chifres semelhantes aos de um cordeiro, a América efetivamente falará como dragão, ou seja, exercerá sua autoridade de modo perseguidor e cruel. A adoção dessa política é ainda um acontecimento futuro, e determinará a cura completa da ferida de morte sofrida pelo papado em 1798. Neste sentido, a besta de dois chifres sobe da terra como o segundo aliado do dragão.

Em Apocalipse 12:9, o dragão é primariamente identificado como a "antiga serpente, que se chama diabo e Satanás" (ver também 20:2). Apocalipse 12 apresenta um panorama da história da igreja tendo como pano de fundo o grande conflito entre Cristo e o inimigo da verdade. O objetivo do relato é encorajar os crentes a serem fiéis até o fim, não obstante as perseguições implacáveis dirigidas contra eles. Podem vencer porque Cristo venceu (verso 11). Esta é a certeza primordial que permeia todo o livro do Apocalipse. A vitória de nosso Senhor neste conflito de proporções cósmicas foi garantida na cruz, e sua consumação ocorrerá nas cenas finais do grande drama.

A guerra instigada por Satanás no Céu (Apocalipse 12:7-9) reverbera agora nos conflitos terrestres que têm como alvo os seguidores de Jesus. É aqui que se identifica a origem das hostilidades cruéis contra a mulher que representa a igreja de Deus. O inimigo de Cristo e de Seu povo é claramente identificado. A guerra contra Cristo é uma guerra contra a Sua igreja. Este conflito, referido pela primeira vez em Gênesis 3:15, é desenvolvido nos capítulos 12 a 19 de Apocalipse, e deve prosseguir até que a paz e a segurança do reino de Deus sejam restauradas à sua condição original.

Apocalipse 12 apresenta duas ofensivas consecutivas contra o povo de Deus:

1. Nos versos 6 e 14-16, nos quais o conflito é revelado em conexão com o período profético dos 1.260 dias/anos. À luz de Daniel 7:25, que é o contexto-raiz, sabemos que este período se refere à supremacia do "chifre pequeno", símbolo de Roma papal, quando um sem número de pessoas foram perseguidas e martirizadas por causa de sua fé. Neste caso, a guerra contra os santos está associada ao período de tempo profético de atuação do chifre pequeno. Em Apocalipse 13, este primeiro conflito envolvendo a igreja é descrito nos versos 5 a 7: a besta marítima (o papado) exerce sua autoridade contra os santos durante 42 meses, ou 1.260 dias/anos.

2. No verso 17, no qual a guerra final contra os santos é descrita em uma única sentença como a guerra do dragão contra os restantes da descendência da mulher, "os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus". Apocalipse 13 amplia o significado desta declaração, associando a origem da segunda ofensiva à cura da ferida de morte da besta papal (versos 3-4), viabilizada pelo papel da besta terrestre de dois chifres, o segundo aliado do dragão (versos 11-17). A besta semelhante a cordeiro usará suas prerrogativas para restaurar o papado à condição que ele reivindica como sendo sua por direito. A imposição universal de sua "marca" representa uma guerra final contra Deus e Sua igreja remanescente.

Portanto, a derradeira ofensiva do dragão é dirigida contra o remanescente da mulher, "os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus" (Apocalipse 12:17). Para alcançar seu objetivo, o dragão usa um novo aliado, a besta terrestre de dois chifres, a qual impõe a marca da primeira besta em escala global (13:11-18). A resposta de Deus vem na forma de uma grave advertência, de alcance igualmente global (14:9-11). A recepção positiva a esta mensagem identifica os vencedores da besta, de sua imagem e de sua marca, isto é, os santos "que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus" (verso 12). Em Apocalipse 14:1, eles são previamente apresentados como os santos vitoriosos em pé no monte Sião juntamente com o Cordeiro.

Apocalipse 12 adverte a igreja de que ela é o alvo constante do ódio de Satanás, representado como um dragão vermelho, "com sete cabeças, dez chifres e, nas cabeças, sete diademas" (verso 3). Esta imagem assustadora e intimidatória é um desenvolvimento do quarto animal, terrível e espantoso, de Daniel 7. Mediante potências e instituições humanas, Satanás espera atingir seu objetivo: destruir o povo de Deus e a verdade.

Não percamos de vista, porém, duas coisas essenciais em Apocalipse 12: (1) a ênfase do capítulo não reside na perseguição da mulher e sua descendência, mas sim em sua constante lealdade e inabalável fé em Cristo, não obstante as investidas violentas do dragão, e (2) a providência de Deus para preservar seu povo remanescente em tempos de crise.

A ofensiva final de Satanás contra a igreja

A derradeira investida do inimigo de Deus contra os fiéis é desenvolvida nos capítulos 13 e 14 de Apocalipse. Ambos os capítulos revelam que o remanescente final enfrentará a prova definitiva de lealdade a Deus em face das exigências impostas pelo anticristo (Apocalipse 13:15-17). Mais uma vez é enfatizada a constante fé e fidelidade dos santos (14:12) e a certeza de que estes triunfarão com o Cordeiro (17:14; 14:1).

Apocalipse 13 desenvolve e amplia o conflito no capítulo 12 entre o dragão e a mulher. A ofensiva contra os santos tem lugar por meio de duas potências mundiais político-religiosas simbolizadas por duas bestas. Juntamente com o dragão, formam uma falsa trindade. Esta tríade satânica possui também uma tríplice mensagem falsa de alcance global, em flagrante oposição às três mensagens angélicas (Apocalipse 16:13-14).

Entre os agentes a serviço do dragão, a besta marítima é aquela que mais se parece com ele. Ambos possuem sete cabeças e dez chifres (Apocalipse 12:3; 13:1). Como o chifre pequeno de Daniel 8 (verso 24), a besta que surge do mar se fortalece, mas não pela sua própria força; ela recebe do dragão poder, trono e grande autoridade (Apocalipse 13:2), portanto nada mais natural do que a besta marítima apresentar traços semelhantes a de seu benfeitor.

Além disso, é significativo que o ato de o dragão delegar à besta suas prerrogativas constitua uma contrafação intencional de como Deus delegou, no contexto do plano da salvação, Suas prerrogativas a Seu Filho, Jesus Cristo (comparar Daniel 7:14 e Apocalipse 5:12-13 com 13:2). É precisamente este paralelo que caracteriza a besta marítima como o anticristo. Conforme observa Hans K. LaRondelle, o objetivo de ambas as investiduras de poder é receber a adoração e lealdade de toda a humanidade. Esse é o foco do grande conflito.

As diferentes fases de experiência da besta marítima também são uma imitação deliberada da própria experiência de Cristo durante Seu ministério terrestre. À semelhança da morte e ressurreição do Messias, a besta recebe uma ferida de morte, ressuscita milagrosamente e ascende a um domínio universal, embora totalitário. Esta contrafação caracteriza a besta como uma falsificação de Cristo, exatamente como antecipou Paulo em II Tessalonicenses 2:2-3.

O mais surpreendente, porém, é o surgimento de um novo poder que não obstante sua aparência de cordeiro colabora efetivamente para restaurar o poder e a autoridade da primeira besta. Não admira que esse novo agente do dragão seja chamado também de "falso profeta" (Apocalipse 16:13; 19:20), pois aparenta algo que na verdade não é. Contudo, que espécie de poder será exercido pela besta semelhante a cordeiro?

Daniel 7:25 declara que o papado cuidaria "em mudar os tempos e a lei". A superpotência simbolizada pela besta semelhante a cordeiro usará seu prestígio e influência para impor a observância dessas leis modificadas em nome do papado. Por meio de um decreto civil, os Estados Unidos imporão práticas religiosas oriundas da tradição humana, em substituição às leis de Deus, e obrigará o mundo a aceitar as mudanças religiosas efetuadas por Roma papal.

Embora seja possível encontrar na história americana muitos indícios de que esta nação fala como dragão (por exemplo, o tratamento dispensado aos índios e espanhóis), o fato é que os Estados Unidos se comportarão dessa maneira somente quando este país:

1. Exercer "toda a autoridade da primeira besta na sua presença" (Apocalipse 13:12).

2. Incitar a humanidade a adorar "a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada" (verso 12b).

3. Seduzir "os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado executar diante da besta" para "que façam uma imagem à besta, aquela que, ferida à espada, sobreviveu" (verso 14).

4. Comunicar "fôlego à imagem da besta", de modo a eliminar, por meio de políticas e penas efetivas, qualquer ameaça de dissidência (verso 15).

5. Impor "certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte", reconhecendo como cidadãos somente aqueles que portarem este sinal, símbolo de submissão ao poder representado pela primeira besta (versos 16-17).

O que está acontecendo com a América?

Consideremos por um instante os rumos que a nação americana vem tomando desde o tempo de sua fundação no que diz respeito a suas relações com o papado:

1776 - Os Estados Unidos são criados por homens que haviam lutado até a morte pela liberdade de culto. Seus fundadores não queriam ligação com o Vaticano, visto como uma instituição repressiva e anti-iluminista.

1850 - O papa Pio IX doa uma pedra de mármore para ser usada na construção de um monumento de Washington. À noite, uma multidão anti-católica indignada removeu a pedra, reduziu-a em pedaços e lançou-os no rio Potomac.

1961 - John Kennedy torna-se o primeiro presidente católico dos EUA. Questionado se governaria segundo a visão de Roma, Kennedy garantiu que sua religião não interferiria em seus deveres como presidente, acalmando assim a opinião pública.

1984 - O presidente dos EUA Ronald Reagan e o papa João Paulo II concordam em ter os EUA representados no Vaticano por um embaixador. Desde então, os católicos têm preenchido o cargo.

2008 - O presidente George W. Bush oferece ao papa Bento XVI uma festa de aniversário nos jardins da Casa Branca, uma cena inédita que os Pais Fundadores nunca poderiam ter imaginado, e uma prova de quão longe foi a relação entre os EUA e o Vaticano.

2011 - O site WikiLeaks divulga documentos segundo os quais os Estados Unidos teriam interesse em ser um aliado do Vaticano. De acordo com os documentos, a Secretária de Estado Hillary Clinton teria orientado embaixadores e diplomatas a acompanharem de perto o Vaticano. "O Vaticano pode ser uma potência aliada ou um inimigo ocasional. Devemos fazê-lo ver que a nossa política pode ajudá-lo a avançar em muitos princípios", orientou o Departamento de Estado.

2015 - Como parte de sua agenda durante sua primeira visita à América, o papa Francisco realiza na manhã do dia 24 de setembro o primeiro discurso de um papa para as duas casas do Congresso dos Estados Unidos, em Washington. A sessão conjunta do Congresso reúne diversas autoridades, entre eles, membros da Suprema Corte, os presidentes do Senado e da Câmara dos Representantes, o Secretário de Estado e o decano do Corpo Diplomático. Em seu discurso histórico no Congresso, o papa é aplaudido de pé.

Acrescente-se a tudo isto a recente declaração de Hillary Clinton de que o governo deve usar "recursos coercitivos para redefinir os dogmas religiosos tradicionais". Declarações como estas abrem precedentes perigosos que certamente tornarão possível o pleno cumprimento da profecia no que tange ao papel dos Estados Unidos no tempo do fim.

Estaríamos presenciando a formação gradual na América de uma imagem ao papado? É possível que esteja ocorrendo uma erosão das liberdades civis e religiosas, previstas na Constituição dos Estados Unidos e na sua Declaração dos Direitos, que pode resultar em uma ditadura da maioria em detrimento das liberdades da minoria? Uma investigação mais detalhada de certos aspectos da história americana certamente ajudará a ampliar nossos horizontes.

Um comentário :

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.