"Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." (Ap 14:12)

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

O número místico 666 - Introdução

Tanto quanto o nome e a marca, o número da besta representa um sistema ou instituição humana simbolizado pela besta e sua imagem (Apocalipse 13:15-18), e não necessariamente um homem no sentido literal. Interpretar a expressão "número de um homem" (verso 18) sem levar isso em consideração é ignorar o verdadeiro sentido do texto e de toda a mensagem profética relacionada a ele.

A frase "número do seu nome" (verso 17) indica claramente que o número místico "seiscentos e sessenta e seis" está intimamente relacionado ao nome do poder mediante o qual a marca da besta é imposta, isto é, "Babilônia, a grande" (Apocalipse 17:5), título que representa uma organização humana.


Observemos que este poder e sua marca - a marca da besta - já foram plenamente identificados em postagens anteriores, o que torna injustificável qualquer especulação descabida a respeito do seu número. Este apenas constitui uma evidência adicional que confirma aquela identificação.

Para bem compreender o significado do número seiscentos e sessenta e seis é preciso entender, antes de tudo, como a Bíblia trabalha com a raiz desse número no contexto do grande conflito entre a luz e as trevas.

A raiz bíblica do número 666

O livro do Apocalipse tem a singularidade de apropriar-se de expressões típicas do Antigo Testamento e conferir-lhes um significado escatológico: Cordeiro, Monte Sião, Santuário, Babilônia, etc. O mesmo se aplica aos números: 144.000, 1.600 e 666.

A raiz bíblica do número da besta é "6". Não é por mera casualidade que "Babilônia" seja mencionada seis vezes no Apocalipse. Os judeus acreditavam que havia uma maldição relacionada ao número 6, mesmo quando aparecia sozinho. Multiplique-o por três, e "temos representado um poder maligno que não pode ser superado, um destino trágico que não pode ser pior". (1)

Para o judeu, 6 era o número da intranquilidade, ou número de homem, que foi criado no sexto dia. Em contraste, 7 era o número da perfeição, e 8, o número da vitória. Se um número era repetido três vezes ele indicava eternidade da coisa simbolizada; por exemplo, o número 666 significa eterna inquietude, ausência de repouso; 777, eterna perfeição; 888, eterna vitória. (2)

No Antigo Testamento, o número 6 aparece em determinados contextos (seis ao todo!) que nos permitem identificar com clareza a natureza ou caráter do poder representado por esse número. Observe atentamente:

1. Isaías 14:13-14. No desafio de Lúcifer a Deus, o pronome pessoal "eu" e o possessivo "meu" são usados seis vezes:

Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo.

2. Gênesis 11:3-4. Na história da construção da torre de Babel, o pronome "nós", expresso ou elíptico, ocorre exatamente seis vezes:

E disseram um aos outros: Vinde, façamos tijolos e queimemo-los bem. Os tijolos serviram-lhes de pedra, e o betume, de argamassa. Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo topo chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra.

3. Daniel 3:1. A imagem de ouro que Nabucodonosor mandou erguer na planície de Dura, cujas medidas tinham como base o número 6:

O rei Nabucodonosor fez uma imagem de ouro que tinha sessenta côvados de altura e seis de largura; levantou-a no campo de Dura, na província da Babilônia.

4. Daniel 3:5. São mencionados seis instrumentos da orquestra de Nabucodonosor, ao som dos quais todos deveriam curvar-se perante a imagem do rei:

No momento em que ouvirdes o som da trombeta, do pífaro, da harpa, da cítara, do saltério, da gaita de foles e de toda sorte de música, vos prostrareis e adorareis a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor levantou.

5. Daniel 4:10, 11, 14, 20, 23, 26. A "arvore" que simbolizava o poder babilônico é mencionada seis vezes.

6. Daniel 5:4. Os seis tipos de deuses aos quais Belsazar louvava na ocasião em que recebeu o veredito divino:

Beberam o vinho e deram louvores aos deuses de ouro, de prata, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra.

O conjunto dessas seis ocorrências relacionadas ao número 6 no Antigo Testamento é altamente instrutivo, pois revela o caráter ou espírito por trás do número, podendo ser classificado como segue:

a) O desafio de Lúcifer a Deus: exaltação própria e rebelião.

b) A construção da torre de Babel: incredulidade e desobediência.

c) A imagem de Nabucodonosor, a função da orquestra real, e a devoção de Belsazar aos seus diferentes deuses: falsa adoração.

d) O poder babilônico simbolizado pela "árvore": orgulho e autossuficiência.

São precisamente estas características que esperamos encontrar no poder representado pelo número 666. Nosso desafio será calcular esse número em conexão com o poder ao qual está intimamente relacionado. Para isso, vamos usar apenas a Bíblia e o testemunho da própria história à luz da palavra profética.


Notas e referências

1. William Milligan. The Expositor's Bible, Vol. 6, p. 890. Citado em Roy A. Anderson, Revelações do Apocalipse. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1988, p. 152.

2. Roy A. Anderson. Revelações do Apocalipse, p. 152.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares

Postagens em destaque

É tempo de despertar. Antes que as três mensagens angélicas sejam proclamadas ao mundo (Apocalipse 14:6), elas devem exercer sua influência reavivadora e santificadora entre o professo povo de Deus.

A religião humanista da nova ordem. Muitos religiosos de hoje têm substituído a suficiência de Cristo pela suficiência humana, na esperança de estabelecer o reino de Deus na Terra.

A maior e mais urgente necessidade. A Testemunha Fiel e Verdadeira ainda clama a plenos pulmões pelo arrependimento e conversão de Seu povo, disposta a oferecer perdão, consagração e reavivamento espiritual.

O papel da Igreja na comunidade: uma reflexão. A ênfase na filantropia parece constituir a única maneira possível de tornar a Igreja socialmente relevante num mundo imediatista e ávido por resultados tangíveis.

A verdadeira e a falsa adoração. Ao revelar os muitos contrastes entre a verdadeira e a falsa adoração, o Apocalipse fornece informações preciosas para permanecermos fiéis a Deus e não ser seduzidos pelos apelos da religião popular.

Preparação para o Segundo Advento. O que a Bíblia ensina a respeito da preparação para o Segundo Advento? Existe alguma indicação de que precisamos fazer preparativos especiais além de expressar fé e amor ao Senhor Jesus Cristo?

Arquivo do Blog

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Seguidores

Siga-me por Email

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.
Scroll To Top