Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A mudança nos tempos e na lei

Cumulando-se de prerrogativas divinas, não admira que a Igreja Católica e o papado tenham premeditado uma mudança nos tempos e na lei de Deus, cumprindo o que fora predito por meio do profeta Daniel: "... e cuidará em mudar os tempos e a lei" (Daniel 7:25, comparar com Apocalipse 12:17).


O "chifre pequeno" pretende exercer o direito divino de mudar os tempos, isto é, dirigir o curso da história humana segundo lhe apraz, mas apenas Deus possui esta prerrogativa, pois "é ele quem muda os tempos e as estações, remove reis e estabelece reis" (Daniel 2:21, ver também Atos 17:26; Provérbios 8:15-16).

Este poder anticristão também decidiu mudar a lei de Deus, a qual é o sólido fundamento de Seu governo (Salmo 89:14; 97:2, comparar com 119:142 e 151). Leis humanas estão sujeitas às variações do tempo e dos costumes, e podem ser alteradas segundo o critério dos legisladores. O próprio papado, durante os séculos de ferro da Igreja, interferiu nos decretos de potentados europeus. Tais mudanças, contudo, não constituem o tema da profecia, senão as que dizem respeito à lei de Deus. O papado só poderia exaltar-se sobre Deus alterando Sua lei, um ato que imagina poder executar, mas cujo direito não lhe assiste.

A mudança na lei de Deus: sinal de autoridade do anticristo

Com referência a esta arrogante pretensão, encontramos na Prompta Bibliotheca, de Lucius Ferraris, as seguintes declarações:

O Papa tem tão grande autoridade e poder que ele é capaz de modificar, explicar e interpretar até mesmo as leis divinas.

O Papa pode modificar a lei divina, uma vez que seu poder não é de homem, mas de Deus, e ele atua como vice-regente de Deus sobre a terra com o mais amplo poder de ligar e desligar suas ovelhas. (1)

O papado afirma ser o representante de Cristo na Terra, e que a mudança nos mandamentos foi feita em Seu nome. Nosso Senhor, porém, declarou enfaticamente que não veio mudar a lei (Mateus 5:17) e que não autoriza a mudança de um til sequer dos mandamentos (Lucas 16:17). Ele mesmo testifica de Seu caráter ao afirmar: "Porque Eu, o Senhor, não mudo" (Malaquias 3:6). Qualquer alteração na lei de Deus é uma obra do anticristo, e tal presunção certamente diz muito a respeito dele. Ellen G. White assinala as implicações de se sujeitar a este poder:

Unicamente mudando a lei de Deus poderia o papado exaltar-se acima de Deus; quem quer que conscientemente guarde a lei assim modificada, estará a prestar suprema honra ao poder pelo qual se efetuou a mudança. Tal ato de obediência às leis papais seria um sinal de vassalagem ao papa em lugar de Deus. (2)

O leitor poderá apreciar no Catecismo da Igreja Católica a extensão das mudanças introduzidas na lei de Deus. Compare com a relação original dos mandamentos em Êxodo 20:3-17 e Deuteronômio 5:7-21. Não é preciso ser um bom observador para perceber as diferenças.

No Catecismo, os dois primeiros mandamentos foram arrolados na primeira coluna como um só. O segundo mandamento, que proíbe o uso de imagens, foi suprimido da segunda e terceira colunas. O último mandamento foi dividido em dois para conservar o número de dez preceitos. A alteração mais evidente e audaciosa, contudo, aparece no quarto mandamento (que corresponde ao terceiro no Catecismo), em que o santo sábado do Senhor é substituído pelo domingo - uma flagrante mudança no Decálogo para a qual não existe nenhuma base escriturística.

Roma reivindica a mudança como sinal de seu poder. Curiosamente, as patentes alterações na lei de Deus não são motivo de constrangimento para a Igreja. O papado não só admite sua responsabilidade por tais mudanças, como também afirma possuir a autoridade para efetuá-las. As duas citações a seguir são representativas nesse sentido (para mais referências, clique aqui). Note como a Igreja explica sua decisão, expondo a contradição protestante.

Em An Abridgment of the Christian Doctrine de Henry Tuberville encontramos o seguinte diálogo:

P. Como vocês provam que a igreja tem poder para ordenar festas e dias santos?
R. Pelo próprio ato de mudar o sábado para o domingo, que os protestantes reconhecem; portanto, eles se contradizem ingenuamente ao observar estritamente o domingo e transgredir muitas outras festas ordenadas pela mesma Igreja.
P. Como podeis provar isto?
R. Porque ao guardarem o domingo, eles reconhecem o poder que a igreja tem para ordenar dias de festas, e ordená-los sob a ameaça de pecado; e, ao não observarem o repouso [dos dias de festa] por ela ordenado, eles [os protestantes] novamente negam, com efeito, o mesmo poder. (3)

Stephen Keenan faz uma exposição semelhante em seu Catecismo de 1876:

P. Quando os protestantes fazem algum trabalho secular no sábado, ou sétimo dia da semana, eles seguem a Bíblia como sua única regra de fé?
R. Pelo contrário, eles só têm a autoridade da tradição para esta prática. Profanando o sábado, violam um dos mandamentos de Deus que ele jamais revogou completamente; "Lembra-te de santificar o dia de sábado".
P. É a observância do domingo, como dia de descanso, um assunto claramente estabelecido nas Escrituras?
R. Certamente não é, e ainda todos os protestantes consideram a observância deste dia especial como essencialmente necessário à salvação. Eles dizem: nós observamos o domingo porque Cristo ressuscitou dos mortos nesse dia, em outras palavras, que devemos descansar na quinta-feira porque Cristo subiu ao céu naquele dia, e descansou, de fato, do trabalho da redenção.
P. O que vocês concluem de tudo isso?
R. Que os protestantes não podem encontrar nada nas Escrituras para normatizar seu dia de descanso; que eles aboliram a observância do sábado sem autorização das Escrituras; que eles o substituíram pelo domingo sem autoridade escriturística; que para tudo isso, consequentemente, eles têm apenas a autoridade da tradição... Portanto, devemos concluir que a Escritura, a qual não ensina claramente estas coisas, não contém todas as verdades necessárias, e, por conseguinte, não pode ser a única regra de fé.
P. Vocês têm alguma outra prova de que a Igreja tem poder para instituir festas e preceitos?
R. Se ela não tivesse tal poder, não poderia ter realizado aquilo que todos os modernos religiosos concordam com ela; não poderia ter substituído a observância do sábado do sétimo dia da semana pela observância do domingo do primeiro dia, uma mudança para a qual não há autoridade escriturística. (4)

Esta última declaração é significativa, e comprova que a mudança na lei de Deus constitui o sinal do poder e autoridade desta Igreja, a qual reivindica para si atributos exclusivos da Divindade.

Pode uma instituição humana reclamar o direito de mudar a lei de Deus? Sir Isaac Newton responde apropriadamente a esta questão:

A autoridade dos imperadores, reis e príncipes é humana; a autoridade dos concílios, sínodos, bispos e presbíteros é humana. Mas a autoridade dos profetas é divina e compreende toda a religião, reconhecendo MOISÉS e os apóstolos entre os profetas; e se um anjo do céu pregar um outro evangelho, que não o que foi dado, que seja anátema. (5)

Os profetas e apóstolos, ainda que investidos de autoridade divina, jamais ousaram perpetrar alguma mudança na lei de Deus. Todavia, a Igreja Católica Romana admite abertamente que, como instituição, foi responsável pela mudança do sábado para o domingo como dia de guarda, uma medida pretensiosa e arbitrária que não encontra nenhum apoio nas Escrituras. Substituir o sábado bíblico por um falso dia de repouso significa suprimir do Decálogo o único preceito que identifica seu supremo Legislador.

O verdadeiro foco do grande conflito

É a inimizade de Satanás à lei de Deus que o compele a agir contra cada preceito do Decálogo. Enquanto Moisés recebia do Senhor a lei e o evangelho no monte Sinai, o inimigo da verdade incitou os israelitas a violarem o segundo mandamento, esperando rebaixar suas concepções a respeito de Deus e desviá-los de seus deveres para com Ele. Dificultando a observância do sábado no cativeiro egípcio, levá-los-ia a esquecer de seu Criador, de modo que não pudessem oferecer qualquer resistência ao poder do mal.

Roma é um instrumento que serve aos mesmos objetivos. Suprimindo o segundo mandamento, desfigura a imagem do Ser divino, estimula os homens à idolatria e destrói a eficácia de todo culto. Alterando o quarto mandamento, aniquila o memorial eterno da criação e apaga da mente dos homens a lembrança de Deus. Uma vez que se esqueçam do Criador, não podem resistir ao poder das trevas.

A mudança na lei de Deus é uma obra do anticristo, conforme antecipou o profeta Daniel (7:25). E esta alteração desavergonhada tornou-se possível em razão de o clero romano ter se apoderado indevidamente do direito divino, como previu Paulo em sua exortação aos cristãos de Tessalônica (II Tessalonicenses 2:3-4). Tal mudança constitui o sinal de seu poder e autoridade.

Em uma carta escrita em novembro de 1895, o Sr. H.F. Thomas, chanceler do cardeal Gibbons, respondendo a uma questão sobre a afirmação de que a Igreja mudou o sábado, disse:

Naturalmente, a igreja católica afirma que a mudança do sábado é um ato totalmente seu... e que este ato é o sinal de sua autoridade nas coisas religiosas. (6)

Transferindo o repouso semanal do sábado para o domingo, o papado substituiu o sinal de autoridade suprema de Deus pelo sinal de sua própria autoridade, colocando-se, dessa forma, acima do trono de Deus. Semelhante atitude revela claramente o espírito de apostasia desta instituição, cumprindo o que a seu respeito foi predito nas Escrituras.

Notas e referências

1. Lucius Ferraris. Prompta Bibliotheca, Vol. VII. Venetiis, Apud Gasparem Storti, 1782, verbete "Papa", artigo II, p. 29, #30. Tradução das citações do latim para o inglês disponível aqui. Acesso em: 21 jul. 2011, 08h10min.

2. Ellen G. White. O Grande Conflito, 19ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1978, p. 446.

3. Henry Tuberville. An Abridgment of the Christian Doctrine. New York: John Doyle, 1833, p. 58.

4. Stephen Keenan. A Doctrinal Catechism, Third American edition, New York: P.J. Kenedy and Sons, 1876, p. 175.

5. Sir Isaac Newton. As Profecias do Apocalipse e o Livro de Daniel: As Raízes do Código da Bíblia. São Paulo: Pensamento, 2008, p. 26.

6. Ministry, outubro de 1944, p. 23. Citado em A.S. Mello, A Verdade sobre as Profecias do Apocalipse. São Paulo, 1959, p. 387.
 

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.