Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

sábado, 24 de outubro de 2015

O sábado como sinal entre Deus e Seu povo

Na experiência do Novo Concerto toda a lei de Deus é inscrita no coração dos crentes pela fé em Jesus (Jeremias 31:31-33; Hebreus 8:10; 10:16). O mandamento do sábado não constitui exceção. A observância deste dia santo é um reconhecimento sobre quem é Deus, quem somos nós e o que Deus fez em nosso favor por meio de Seu Filho.


A dimensão redentora e universal do sábado

Além de memorial perpétuo da criação (Êxodo 20:11), o sábado é um sinal do poder de Cristo para nos redimir do pecado e nos restaurar à Sua imagem. O profeta Isaías se refere a essa relação ao declarar:

Assim diz o Senhor: Mantende o juízo e fazei justiça, porque a minha salvação está prestes a vir, e a minha justiça, prestes a manifestar-se. Bem-aventurado o homem que faz isto, e o filho do homem que nisto se firma, que se guarda de profanar o sábado e guarda a sua mão de cometer algum mal. Não fale o estrangeiro que se houver chegado ao Senhor, dizendo: O Senhor, com efeito, me separará do seu povo; nem tampouco diga o eunuco: Eis que eu sou uma árvore seca. Porque assim diz o Senhor: Aos eunucos que guardam os meus sábados, escolhem aquilo que me agrada e abraçam a minha aliança, darei na minha casa e dentro dos meus muros, um memorial e um nome melhor do que filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará. Aos estrangeiros que se chegam ao Senhor, para o servirem e para amarem o nome do Senhor, sendo deste modo servos seus, sim, todos os que guardam o sábado, não o profanando, e abraçam a minha aliança, também os levarei ao meu santo monte e os alegrarei na minha Casa de Oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar, porque a minha casa será chamada Casa de Oração para todos os povos. (Isaías 56:1-7)

Como bom observador, o leitor deve ter notado que na declaração do Senhor mediante Seu profeta, salvação e justiça andam juntas. Já tivemos a oportunidade de mencionar algo sobre esta importante verdade (para conferir, clique aqui).

Outro pormenor importante: a necessidade de guardar-se de profanar o sábado é mencionada juntamente com uma necessidade moral, ou seja, "guardar a sua mão de cometer algum mal". Além disso, todos os que "escolhem aquilo que me agrada e abraçam a minha aliança" alcançarão, pela fé em Jesus, as bênçãos prometidas.

Nunca foi plano de Deus que apenas os israelitas partilhassem da salvação e das bênçãos do descanso sabático, mas que também os gentios convertidos reconhecessem a Deus como Criador e Redentor, e observassem fielmente Seus preceitos (ver Isaías 45:22; 52:10; 62:2; Zacarias 8:23; Atos 10:34-35).

Nas sentenças proferidas contra a Assíria e o Egito, por exemplo, Jeová esperava converter e curar estas nações, de modo que pudessem adorá-lO juntamente com Israel. Se correspondessem ao apelo da graça, egípcios e assírios seriam chamados pelo Senhor de "meu povo" e "obras de minhas mãos" (Isaías 19:21-25)!

Tanto judeus como gentios eram chamados a partilhar juntos das bênçãos e responsabilidades decorrentes da aliança divina, sem distinções de qualquer espécie. Do ponto de vista de Deus, o povo que deve representá-lO abrange todos os "que se chegam ao Senhor, para o servirem e para amarem o nome do Senhor". Do mesmo modo, são considerados "servos seus todos os que guardam o sábado". (1)

A promessa é para todos os que aceitam a Cristo pela fé. As gloriosas promessas do evangelho destinam-se, com efeito, a todos aqueles que creem na provisão de Deus feita na Pessoa de Seu Filho. Da parte de Deus, a salvação do homem não depende de qualquer restrição envolvendo gênero, origem ou condição social (Romanos 1:16-17; Gálatas 3:26-29).

Se a salvação e a justiça de Deus são para todos os que as aceitam pela fé em Cristo, então o mesmo princípio se aplica às bênçãos resultantes da obediência. O sábado é um sinal da criação e da redenção que conduz a uma nova criação e a uma nova vida mediante o poder de Cristo. Esta verdade é universal. A genuína observância do sábado demonstra que os seus guardadores reconhecem a Deus como seu Criador e Redentor, e que, portanto, reconhecem a soberania de Deus em suas vidas.

Como na mensagem do primeiro anjo (Apocalipse 14:6), Isaías não só revela a necessidade de proclamarmos o evangelho eterno ao mundo, mas também salienta que o sábado - a pedra de toque de fidelidade na mensagem do terceiro anjo - está indubitavelmente ligado à mensagem de salvação.

Tanto quanto a salvação, o sábado é oferecido para ser uma benção a toda humanidade. Criação e salvação são dons de Deus. Não podemos criar no sentido em que Deus faz, nem tampouco alcançar a salvação mediante nossa própria força. O sábado lembra que só Deus pode criar e salvar, e que, portanto, somos todos dependentes dEle.

Sinal de santificação. Como já foi observado (clique aqui), o sábado é também um sinal de santidade, uma parte essencial na experiência da justiça pela fé em Cristo. Deus nos lembra a santificar o dia que Ele escolheu (Gênesis 2:2-3; Êxodo 20:8), mas pecadores não podem santificar um dia.

Por esta razão, o Senhor nos convida a primeiramente sermos santificados por meio do Seu poder (I Pedro 2:9-10), pois só Ele pode realizar esta obra em nós (João 17:17; 16:13; Filipenses 2:13). Não obstante, requer-se da nossa parte cooperar com Deus de modo que a experiência da santificação (sobre isso, clique aqui) seja desenvolvida com temor e tremor (Filipenses 2:12). A Escritura diz:

Tu, pois, falarás aos filhos de Israel e lhes dirás: Certamente, guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica. Entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre; porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, e, ao sétimo dia, descansou, e tomou alento. (Êxodo 31:13 e 17)

E outra vez declara:

Também lhes dei os meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles, para que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica.

Santificai os meus sábados, pois servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou o Senhor, vosso Deus. (Ezequiel 20:12 e 20)

O sábado é um sinal de justificação e santificação em seu sentido mais profundo. A justificação consiste na obra que Deus realiza por nós. A santificação é a obra que Ele realiza em nós. O plano da redenção tem em vista o perdão e a restauração de todos os que recebem a Cristo como Salvador e Senhor (II Coríntios 5:17; Efésios 4:20-24; Gálatas 6:15; Colossenses 3:8-11). Por suas características, o sábado representa estas duas dimensões do propósito de Deus.

O selo de Deus. Além das singularidades apresentadas acima, o sábado é o único dos mandamentos que possui as características de um selo, entendido como a marca simbólica que identificava um soberano nos tempos antigos (I Reis 21:8; Ester 3:12; 8:8). Este selo continha o nome, a autoridade e o domínio do soberano. O quarto mandamento diz:

Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou. (Êxodo 20:8-11)

Uma leitura cuidadosa do mandamento nos permite entender de que modo o sábado revela a identidade de Deus e qual a Sua relação conosco: "Porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, e o mar e tudo o que neles há". Nesta sentença, encontram-se três importantes atributos do grande Legislador: Seu nome, Sua autoridade e Seu domínio.

1. Seu nome: "o Senhor", Aquele que é eterno e existe por Si mesmo (Êxodo 3:14; Isaías 44:6; João 8:58; Apocalipse 1:18).

2. Sua autoridade: "Criador", Aquele que tudo fez e que sustenta todas as coisas pela palavra do Seu poder (Gênesis 1:1; Neemias 9:6; João 1:1-3; Colossenses 1:15-16; Hebreus 1:1-3).

3. Seu domínio: "os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há" (Deuteronômio 10:14; Jó 22:12; Salmo 24:1-2; 89:11; 103:19; Isaías 66:1).

Com efeito, o mandamento do sábado revela Deus como o Criador, Legislador e Soberano. O argumento bíblico em favor desse preceito é bem claro; Deus estabeleceu o sábado como um mandamento moral porque Ele fez todas as coisas e descansou neste dia (Êxodo 20:11). A moral diz respeito a tudo o que é decente, educativo e instrutivo, e estas qualidades estão implícitas na atitude de Deus em relação ao sábado.

O apelo do primeiro anjo em Apocalipse 14:6-7 mantém íntima relação com o mandamento do sábado em virtude desta realidade. A relação também é justificada porque a adoração nos últimos dias dividirá as pessoas em dois partidos: os que adoram "aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas", e os que adoram "a besta e a sua imagem" (Apocalipse 14:9; 13:15).

O sábado como o divisor de águas

A observância do sábado pela fé em Jesus sintetiza, portanto, a prova máxima de lealdade no conflito final entre a verdade e o erro, visto que adoração e obediência são as questões em jogo.

Antes de a porta da graça se fechar, todos terão feito sua escolha sobre a quem vão adorar e servir. O ponto de conflito neste período probante não será necessariamente a observância dos mandamentos em geral, mas a ordem que prescreve o descanso no sétimo dia. Muitos cristãos admitem a validade e perpetuidade da lei moral, porém resistem em reconhecer integralmente o quarto mandamento, cujas reivindicações são relembradas na mensagem do primeiro anjo.

Ellen G. White escreve:

O sábado será a pedra de toque da lealdade; pois é o ponto da verdade especialmente controvertido. Quando sobrevier aos homens a prova final, traçar-se-á a linha divisória entre os que servem a Deus e os que não O servem. Ao passo que a observância do sábado espúrio em conformidade com a lei do Estado, contrária ao quarto mandamento, será uma declaração de fidelidade ao poder que se acha em oposição a Deus, é a guarda do verdadeiro sábado, em obediência à lei divina, uma prova de lealdade para com o Criador. Ao passo que uma classe, aceitando o sinal de submissão aos poderes terrestres, recebe o sinal da besta, a outra, preferindo o sinal da obediência à autoridade divina, recebe o selo de Deus. (2)

Notas e referências

1. Se Israel tivesse conservado sua fidelidade a Deus, todas as promessas feitas sob o concerto com a nação teriam se cumprido integralmente. Sua desobediência e infidelidade, porém, os despojaram das bênçãos prometidas. As promessas e profecias destinadas ao Israel nacional estavam condicionadas à obediência do povo (Êxodo 19:5-6; Levítico 26:3-12, 14-42; Deuteronômio 7:12-13; 11:26-32; 28:15 e 64, etc.), mas eram incondicionais quanto à natureza de certos eventos que teriam lugar no futuro, pois a Palavra de Deus jamais volta vazia (Isaías 55:10-11). Seus eternos desígnios nunca poderiam ser frustrados pela infidelidade de Israel. Naquilo em que a nação fracassou, Cristo saiu vitorioso, e todos os que O aceitam como Salvador, tanto judeus como gentios, tornam-se "herdeiros conforme a promessa" (Gálatas 3:29). Sendo a igreja cristã herdeira em certa medida das promessas e alianças que não se realizaram no Israel nacional (Atos 2:16-21, comparar com Joel 2:28-32; Atos 15:14-18, comparar com Amós 9:11-12; I Pedro 2:6, comparar com Isaías 28:16; I Pedro 2:9, comparar com Êxodo 19:5-6; Hebreus 8:6-13, comparar com Jeremias 31:31-34), segue-se que as bênçãos resultantes da obediência à lei de Deus são igualmente legadas a todos os crentes, sob os benefícios do novo concerto (Hebreus 8:7-12; 10:14-17), incluindo as promessas concernentes à observância do sábado (Isaías 56:1-7; 58:13-14; 66:23).

2. Ellen G. White. O Grande Conflito, 19ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1978, p. 604.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.