Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

A segunda mensagem angélica - Conclusão

As advertências de Deus são uma visível demonstração de Seu profundo amor e interesse por cada um de nós. Ninguém tem maior preocupação por nosso bem estar presente e futuro do que Jesus Cristo. A mensagem do segundo anjo é uma advertência de alcance mundial, e se refere a todos aqueles que não atenderam ao apelo do primeiro anjo (Apocalipse 14:7).


Babilônia em sua dimensão conceitual e institucional constitui o maior inimigo da humanidade nos últimos dias. Sendo a manifestação de um falso sistema religioso cuja iniquidade desafia a misericórdia de Deus (Apocalipse 18:5), este poder exerce sobre o mundo um efeito desmoralizante, conduzindo seus habitantes à ilegalidade.

Tendo em vista que Deus nos ama infinitamente, a segunda mensagem angélica salienta uma advertência final sobre a iminente queda de Babilônia, não obstante a opinião que ela tem de si mesma (Apocalipse 18:7), e exorta a todos os moradores da Terra a romper com este sistema idólatra e abraçar o evangelho eterno conforme revelado em Cristo Jesus.

O fato de o Apocalipse usar o nome "Babilônia" para se referir a uma apostasia final de proporções ecumênicas não deve deixar o observador em dúvida com relação ao caráter desse poder. A Babilônia do passado pretendia ser um "portal dos deuses", mas era uma cidade altiva, tirana e espiritualmente corrupta. Ela era inimiga de Deus, da verdade de Deus e do povo de Deus. A Babilônia moderna possui as mesmas características e, por isso, o termo é apropriadamente empregado nas Escrituras para simbolizar a oposição a Cristo e Seus seguidores.

O espírito conciliatório de nosso tempo é um claro precedente para legitimar a união de corporações religiosas e políticas em torno de objetivos e necessidades comuns. Esse processo de construção de consenso está em andamento há décadas e tem se intensificado recentemente. No Apocalipse, Babilônia simboliza esta nova ética religiosa e social que resultará em opressão para todos os que quiserem servir a Deus segundo os ditames de sua consciência.

1º passo: Espíritos de demônios, operadores de sinais, se dirigem aos reis do mundo inteiro, com o objetivo de ajuntá-los para a peleja do grande Dia do Deus Todo-Poderoso (Apocalipse 16:14).

2º passo: O consenso propriamente dito: "Têm estes um só pensamento e oferecem à besta o poder e a autoridade que possuem." (Apocalipse 17:13).

3º passo: Consenso resulta em ditadura da maioria (Apocalipse 13:14), a qual o indivíduo deve necessariamente ajustar-se (versos 16 e 17) ou então sofrer as consequências (verso 15).

A realidade de uma Babilônia apocalíptica demonstra, sem dúvida alguma, que o mundo estará unido antes que Cristo retorne em poder e glória. Esta união não é nem orgânica nem permanente, mas é relativa e transitória, suficiente, porém, para provar a fé de todos os que optarem pelo evangelho eterno (Apocalipse 14:12). A protagonista nesta nova configuração mundial será a grande meretriz de Apocalipse 17, símbolo da Igreja de Roma e suas associadas.

A mensagem do segundo anjo antecipa a queda moral e literal desse conluio de poderes apóstatas. A queda, contudo, tem sido gradual e cumulativa à medida que as corporações e movimentos religiosos abandonam a verdade. Esse processo se completará quando Babilônia der de beber a "todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição" (Apocalipse 14:8). As nações já estão bebendo do vinho incestuoso de Babilônia. O nível máximo de intoxicação assinalará a queda definitiva desse poder.

Embora sua aplicação plena esteja ainda no futuro (próximo, ao que tudo indica), o solene apelo de Deus é válido para cada um de nós hoje:

Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos. (Apocalipse 18:4).

O apelo de Deus para abandonar Babilônia mística requer fé, coragem e determinação. A luz da verdade só pode brilhar sobre os corações que se acham receptivos à sua influência. Os filhos de Deus que ainda estão em Babilônia atenderão ao chamado.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.