Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

O evangelho e a lei moral


Ao passo que o evangelho eterno é uma expressão da graça redentora de Deus (Atos 20:24), a lei moral é uma expressão de Sua vontade (Deuteronômio 10:12-13; Mateus 19:17; I João 5:3). Através da Palavra de Deus e Seu Espírito são revelados ao homem os grandes princípios de justiça, os elementos que constituem a verdadeira força de caráter expressos no santo decálogo. E desde que a lei é santa, justa e boa (Romanos 7:12) e expressão exata da perfeição divina (Salmo 19:7, comparar com Mateus 5:48), segue-se que o caráter formado pela obediência àquela lei será santo.


A lei de Deus é, antes de tudo, uma revelação de Si mesmo à humanidade. Ela é um dom divino da graça e também o reflexo da vontade divina. Por meio desta autorrevelação, Deus estabelece um padrão de conduta moralmente adequado e convida cada indivíduo a uma vida de santidade (Levítico 19:2; I Pedro 1:15-16).

Por ser uma revelação da santidade de Deus, uma representação de Seu caráter (Salmo 19:7-8; 119:142, 151 e 172), Paulo considerou a lei "espiritual" (Romanos 7:14) e se referiu a ela usando os mesmos atributos que descrevem a natureza de Deus: "Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, justo e bom." (verso 12).


 


A lei é santa porque é uma expressão da santidade e vontade divinas; justa, porque põe em relevo a norma de um caráter justo que está ao alcance dos seres humanos (ver Mateus 5:48); e boa, por seu sentido moral. De modo que a lei divina revela a natureza de seu Autor e expressa Seu pensamento e propósito.

Singularidade e perpetuidade da lei moral

O Novo Dicionário da Bíblia observa que o decálogo em realidade é um sumário compreensivo da lei de Deus, cuja validade permanente é evidente pela natureza de seu conteúdo e pela atitude do Novo Testamento para com o mesmo e é ainda assinalado por sua espantosa promulgação, sua forma física durável, e sua localização sob o trono de Deus, no santuário. (1)

No Comentario Exegetico y Explicativo de La Biblia, Jamieson, Fausset e Brown consignam que os quatro primeiros mandamentos contêm nossos deveres para com Deus; os outros seis, nossos deveres para com o próximo; e, interpretados por Cristo, alcançam tanto o domínio do coração como o dos lábios (Mateus 5:17). (2)

Matthew Henry, em seu Comentário Bíblico do Antigo Testamento, refere-se à lei moral com estas oportunas palavras:

Deus fala de muitas maneiras aos filhos dos homens; pela consciência, por providências, por sua voz, a todas as quais devemos atender cuidadosamente; mas nunca falou, em momento algum, como quando deu os Dez Mandamentos. Deus tinha dado antes esta lei ao homem; estava escrita em seu coração, mas o pecado a desfigurou tanto que foi necessário reviver o conhecimento dela. A lei é espiritual, e toma conhecimento dos pensamentos, desejos e disposições secretas do coração. Sua grande exigência é o amor, sem o qual a obediência externa é pura hipocrisia. Requer obediência perfeita, infalível, constante; nenhuma lei do mundo admite a desobediência. Qualquer que guardar toda a lei, mas ofender um único ponto se faz culpado de todos (Tiago 2:10). Omitir ou variar algo no coração ou na conduta, em pensamento, palavra ou obra, é pecado e o salário do pecado é a morte. (3)

O amor é o princípio da obediência

O modo como João se refere à lei nos remete imediatamente ao princípio fundamental que abrange cada um de seus preceitos:

Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. (I João 4:8)

Segundo Mario Veloso, o contexto em que João define a lei dessa maneira constitui uma explicação das atividades espirituais do anticristo (versos 1 a 3). Aqueles que "são de Deus" fazem distinção entre a "verdade" e o "erro" (verso 6). O erro do anticristo é negar a missão de Cristo (verso 3). Ele "nega" Jesus (I João 2:22), e assim nega também o Pai porque o Filho e o Pai são um (I João 1:2 e 3). Isso constitui uma negação do companheirismo e do conhecimento, inclusive o conhecimento de Deus e o companheirismo do Filho. Enquanto o espírito do erro representa poderes satânicos em operação, o espírito da verdade (I João 4:6) é a obra do Espírito Santo para estabelecer íntima comunhão com o Filho pela fé e transmitir o conhecimento verdadeiro de Deus mediante a revelação (verso 13). Aqueles que amam a Deus fazem Sua vontade (I João 2:17) e "guardam os seus mandamentos" (versos 3 a 6). (4)

Ao referir-se à vinda do Consolador, Jesus Cristo disse que a Sua obra consistiria em convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo (João 16:8), guiando a toda verdade (verso 13). A lei de Deus é a verdade ((Salmo 119:142 e 151), e todo aquele que ama a Jesus verdadeiramente, guardará os Seus mandamentos (João 14:15; I João 3:9-10). Ora, os Seus mandamentos não são penosos (I João 5:3), visto serem regidos pelo princípio único do amor (Mateus 22:24-40), e, sem amor, não pode haver obediência de coração e espírito (Romanos 2:28-29), a não ser uma conformidade formal à letra da lei, incapaz de comunicar vida (II Coríntios 3:6).

Esta era a triste condição dos judeus legalistas, não obstante os claros ensinos de Moisés a respeito do tema ((Levítico 19:18 e 34; Deuteronômio 6:5; 10:12) e os testemunhos de Cristo sobre o verdadeiro propósito da lei (Mateus 22:24-40; Marcos 12:29-34; Lucas 10:27-28). Se as Escrituras definem pecado como "transgressão da lei" (I João 3:4), então o amor, como princípio antagônico ao pecado, constitui "o cumprimento da lei" (Romanos 13:10).

Hoje somos desafiados pela Palavra de Deus a resgatar em nossa vida a dimensão evangélica da obediência à lei pela fé em Jesus (Apocalipse 14:12). Qual será nossa resposta?


Notas e referências

1. O Novo Dicionário da Bíblia. J.D. Douglas (Org.). 3ª edição revisada. São Paulo: Vida Nova, 2006, art. "Dez Mandamentos", p. 340-341.

2. Roberto Jamieson, A.R. Fausset, David Brown. Comentario Exegetico y Explicativo de la Biblia. Tomo I: El Antiguo Testamento. Vigésima edición. El Paso, TX: Casa Bautista de Publicaciones, 2003, p. 85.

3. Matthew Henry. Comentario Bíblico do Antigo Testamento. Volume 1: Gênesis a Neemias. Tradução de Daniela Raffo, p. 83-84.

4. Mario Veloso. "A Lei de Deus". Em Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia. Raoul Dederen (Ed.). Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011, p. 514.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.