quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Discriminando pessoas por suas decisões

Por Jared McBradyBrownstone Institute

No meu ensino, preparo alunos de graduação para se tornarem professores de história do ensino médio. Em uma das aulas, os candidatos a professores preparam e ministram aulas simuladas. Seus colegas desempenham o papel de alunos do ensino médio, e eu observo e dou feedback após essas aulas práticas. Seja coincidência ou um reflexo dos tempos, neste outono um bom número de aulas simuladas cobriu a ascensão do totalitarismo. Em uma excelente aula, um candidato a professor fez seus alunos examinarem os contextos que deram origem ao totalitarismo. Ele acompanhou a aula com um trecho de um livro didático de história mundial que lista as características do totalitarismo.

Essa aula atingiu o verdadeiro propósito de incluir o totalitarismo nos currículos do ensino médio. Tal propósito não é honrar pessoas como Hitler, Stalin ou Mussolini, nem fornecer os métodos do totalitarismo como um manual de instruções a seguir. Em vez disso, o propósito de ensinar sobre o totalitarismo é advertir: observe bem as condições que produziram o totalitarismo, para que você possa reconhecê-las e evitá-las. Ao observar a aula desse candidato a professor, não pude deixar de pensar nesse propósito no contexto de nosso tempo presente.

Uma passagem do livro didático durante a aula me preocupou mais: "Líderes totalitários muitas vezes criam 'inimigos do estado' para culpá-los por coisas que dão errado. Frequentemente, esses inimigos são membros de grupos religiosos ou étnicos. Muitas vezes esses grupos são facilmente identificados e submetidos a campanhas de terror e violência. Eles podem ser forçados a viver em certas áreas ou obrigados a obedecer regras que se aplicam apenas a eles" (pág. 876).

Criar um inimigo do estado requer discriminação: um processo de desumanização através da marginalização de um grupo de humanos como algo diferente, inferior e estranho. Este grupo marginalizado se torna um alvo fácil como bode expiatório, levando injustamente a culpá-los pelos males de uma sociedade.

A história está repleta de exemplos de discriminação. Os gregos antigos se diferenciavam com base na linguagem, rotulando de bárbaros aqueles que não falavam grego. Nos Estados Unidos, a escravidão e a segregação dos bens móveis eram sustentadas por meio da discriminação baseada na cor da pele. Na Alemanha nazista, Hitler se baseou na religião, rotulando os judeus como inimigos do estado.

A discriminação frequentemente joga com os estereótipos e medos das pessoas. Nos Estados Unidos, por exemplo, os negros foram classificados como "bandidos", jogando com os medos sobre violência e criminalidade. Em outro exemplo, as autoridades de saúde pública na Polônia ocupada pelos nazistas jogaram com o medo humano primordial da doença. Cartazes de propaganda proclamavam: "Judeus são piolhos: eles causam tifo".

Agora, alguns políticos estão discriminando os "não vacinados". Esses políticos tentam marginalizar e transformar em bode expiatório esse grupo minoritário, apesar de saber que pessoas vacinadas e não vacinadas podem contrair e transmitir a COVID-19. Abaixo, menciono as palavras de três políticos como exemplos da linguagem discriminatória. Eu também o encorajo a ler suas palavras no contexto.

Nos Estados Unidos, a coletiva de imprensa do presidente Joe Biden em 9 de setembro anunciou mandatos abrangentes relacionados às vacinas. Ele expressou que "muitos de nós estão frustrados" com pessoas não vacinadas. Ele os culpou pela persistência da pandemia; Biden afirmou que essa "pandemia dos não vacinados" foi “causada por... quase 80 milhões de americanos que não conseguiram se vacinar". Ele culpou "uma distinta minoria de americanos" por "nos impedir de 'virar a esquina'". E ele prometeu: "Não podemos permitir que essas ações prejudiquem a proteção da grande maioria dos americanos que fizeram sua parte e querem voltar à vida normal".

Em uma entrevista em 17 de setembro no talk show de Quebec, La semaine des 4 Julie, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, classificou aqueles que se opõem à vacinação de "misóginos" e "racistas". Em seguida, exclamou que o Canadá precisa fazer uma escolha: "Nós vamos tolerar essas pessoas?"

Na França, o presidente Emmanuel Macron deu uma entrevista ao Le Parisien em 4 de janeiro. Nesta entrevista, ele categorizou os não vacinados como não-cidadãos, referiu-se às suas "mentiras e estupidez" como os "piores inimigos" da democracia e proclamou: "Eu realmente quero irritar [os não vacinados]". Macron argumentou que essas pessoas não vacinadas são apenas "uma minoria muito pequena que está resistindo" e fez uma pergunta assustadora: "Como podemos eliminar essa minoria?"

Nessas entrevistas, Biden, Trudeau e Macron empregaram várias práticas discriminatórias.

  1. Eles criaram um grupo majoritário exclusivo, sinalizado pelo uso da primeira pessoa do plural (nós), e um grupo minoritário marginalizado, sinalizado pelo uso da terceira pessoa do plural (eles).
  2. Eles culpam este grupo marginalizado em relação às políticas sanitárias do governo ("impedindo-nos de 'virar a esquina'").
  3. Eles usaram palavras para sinalizar ao grupo exclusivo que deveriam estar com raiva do grupo marginalizado ("muitos de nós estão frustrados", "eu realmente quero irritá-los").
  4. Trudeau e Macron usaram rótulos específicos que desvalorizam esse grupo marginalizado: misóginos, racistas, inimigos, não-cidadãos.
  5. O mais preocupante é que Macron e Trudeau questionaram se e como eliminar esse grupo marginalizado ("Vamos tolerar essas pessoas?" e "Como podemos eliminar essa minoria?").

Minha esperança é que tudo isso não passe de retórica política sem importância – fanfarronice vazia pela qual esses políticos esperam marcar alguns pontos de popularidade com sua base eleitoral. Meu medo é que esse não seja o caso. De qualquer forma, esta perigosa linguagem discriminatória deve ser reconhecida e condenada.

Os historiadores estudam a causalidade: contextos, condições, eventos e seus resultados. Examinamos as condições que produziram a escravidão, o gulag, o Holocausto, Jim Crow, Ruanda. Não se trata de tentar igualar as atuais políticas de saúde com essas tragédias passadas.

Pelo contrário, este é um chamado de advertência. Já vimos essas condições antes e sabemos para onde elas levam. Precisamos retroceder agora. Esse caminho leva à escuridão.

Se você gostou desta postagem e quer apoiar o nosso trabalho, não esqueça de divulgá-la em suas redes sociais. Você também pode contribuir com este ministério clicando no botão abaixo. Sua doação permitirá que o evangelho eterno alcance muito mais pessoas em todo o mundo, para honra e glória de nosso Senhor Jesus. Que Deus o abençoe ricamente!

0 comentários:

Postar um comentário