domingo, 26 de julho de 2020

Pontos de inflamação e gatilhos sensíveis pandêmicos: uma situação explosiva


Por Wayne Madsen, Strategic Culture Foundation

Enquanto a pandemia de Covid-19 continua sua marcha mortal em todo o mundo, vários conflitos relativamente adormecidos, bem como vários pontos de inflamação conhecidos, estão prontos para levar o mundo à beira de um grande conflito armado. A história nos mostra que, em tempos de estresse - depressão econômica, conflitos religiosos, ausência de liderança política e crises de saúde pública como a que está agora atormentando o mundo - as chances de uma guerra aumentam proporcionalmente.

A Índia e a China, que travaram uma guerra de fronteira em 1962, estão em conflito em vários locais fronteiriços importantes, que se estendem desde Ladakh, no oeste do Himalaia, até Arunachal Pradesh, no setor leste da cordilheira. O ressurgimento do conflito fronteiriço entre as duas nações mais populosas do mundo é exacerbado pelo vírus Covid-19, que afetou as economias emergentes dos dois países com arsenal nuclear. Mortos e feridos entre tropas de fronteira da Índia e da China resultaram de confrontos, com paus e pedras sendo usados como armas. Um conflito mais amplo e mais mortal pode resultar se as armas usadas forem os tanques T-90S da Índia e os helicópteros Apache - agora envolvidos em exercícios ao longo da fronteira - e tropas chinesas armadas que penetraram cerca de 8 quilômetros além da linha de trégua de 1962, que é oficialmente chamada de Linha de Controle Real (LAC), no leste de Ladakh. Enquanto isso, o número de casos de Covid na Índia aumentou cerca de um milhão.

A península coreana entrou em condição de guerra enquanto a Coreia do Sul administrava com sucesso seus casos Covid, ao passo que a Coreia do Norte, segundo muitos relatos, sofreu várias mortes à medida que o vírus se espalhava por toda a população. Em junho deste ano, a Coreia do Norte ordenou a demolição do edifício de escritórios conjunto entre Coreia do Norte e Coreia do Sul em Kaesong, uma cidade fronteiriça norte-coreana. Em 30 de janeiro deste ano, o escritório foi fechado devido à pandemia. A implosão maciça que derrubou o prédio de quatro andares culminou com a deterioração dos laços entre Pyongyang e Seul, que assistiram a um avanço em 2017, quando Donald Trump realizou sua primeira de três cúpulas com o líder norte-coreano Kim Jong Un. A destruição do edifício Kaesong também pôs fim à política do presidente sul-coreano Moon Jae-in de forjar novos laços com o Norte. Trump não ajudou a manter a paz na Coreia quando disse a um grupo de governadores em fevereiro deste ano que os sul-coreanos eram “pessoas terríveis”. Trump irritou governos asiáticos de Pequim a Seul e de Tóquio a Cingapura com seus comentários abertamente racistas, que também incluem asiáticos. A pandemia colocou a fronteira sino-indiana e o paralelo 38 da Coreia no topo da lista de pontos de inflamação que poderiam muito bem explodir em guerra aberta.

Em Istambul, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, revertendo as políticas de secularização adotadas por Kemal Ataturk, ordenou que o museu Hagia Sophia - uma mesquita sob o Império Otomano e a principal catedral do cristianismo oriental sob o Império Bizantino - se transformasse novamente em mesquita. Em 1934, Ataturk decretou que Hagia Sophia não era mais uma mesquita, mas um museu aberto a todos. Ataturk também convidou especialistas cristãos a não restaurar os mosaicos bizantinos que ornamentam o prédio, que haviam sido rebocados sob o domínio otomano. Erdogan rejeitou pedidos da Grécia para respeitar Hagia Sophia e sua iconografia cristã, preparando o terreno para uma maior deterioração das relações entre a Turquia e a Grécia, ambos membros da OTAN. Muitos nacionalistas gregos anseiam pela restauração de Constantinopla, agora Istambul, e pelo controle ortodoxo grego da Hagia Sophia. Erdogan, que se imagina como um sultão neo-otomano, pouco fez para aplacar países que vão da Grécia e Rússia à Sérvia e Bulgária, que veem o controle islâmico da Hagia Sophia como uma provocação extrema. Vários vizinhos da Turquia ficaram indignados com Erdogan e suas políticas ligadas à Irmandade Muçulmana. Uma moderna “Entente Cordiale” entre Grécia, Chipre, Armênia, Irã, Líbano, o Governo Regional do Curdistão, Geórgia, o governo de Bashar al-Assad na Síria e até Egito e Iraque contra Erdogan não pode ser descartada. Dizem que um líder pode ser julgado pela opinião que seus vizinhos têm a respeito dele. Erdogan continua sendo geralmente desprezado por todos os seus vizinhos.

Outro ponto de inflamação que pode resultar em uma guerra regional é a operação inicial da Grande Barragem do Renascimento da Etiópia (GERD) e a obstrução etíope ao fluxo natural do rio Nilo, que serve como força vital para o Egito e o Sudão. O presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi não escondeu a ameaça de bombardear a GERD se as atividades de fluxo de água da Etiópia afetarem o Egito. O Egito conta com o Tratado Anglo-Egípcio de 1929, que concede ao país uma alocação anual dos recursos hídricos do Nilo, além de um veto sobre qualquer construção de barragens nas cabeceiras do Nilo. O dilema entre Cairo e Adis Abeba reacendeu antigas animosidades decorrentes do fracasso da invasão egípcia à Etiópia em 1874. Ao contrário de contribuir para acalmar os nervos diplomáticos desgastados, a pandemia jogou mais combustível ainda nas tensões no Chifre de África, assim como tem ocorrido na fronteira sino-indiana, na península coreana e em Istambul.

A instabilidade global provocada pela pandemia também ameaça transformar outros pontos de inflamação em zonas quentes de guerra. A principal delas é a guerra civil em curso na Líbia, onde o governo de Trípoli é apoiado por mais de 3.500 guerrilheiros islâmicos transferidos pela Turquia da frente da Síria para assumir as forças do governo rival da Líbia, sediado no leste. Essencialmente, a guerra civil da Líbia se transformou em uma guerra entre o antigo feudo otomano da Tripolitânia e a antiga província de Cirenaica, fortemente influenciada pelos britânicos. A guerra civil da Líbia envolve vários jogadores externos que não a Turquia. Isso inclui o Egito, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

Existem confrontos entre Estados Unidos e Venezuela, Rússia e Ucrânia, China e vários outros países no Mar do Sul da China, política marítima perigosa no Golfo Pérsico entre os Estados Unidos e Irã, e tensão ao longo do Estreito entre China e Taiwan. Um ou mais desses pontos de inflamação podem resultar em uma grande guerra regional ou global, especialmente porque as nações temem as repercussões da pandemia que afetam sua própria sobrevivência como estados-nação.

No aclamado livro de Barbara Tuchman sobre os fatores que resultaram na Primeira Guerra Mundial, “Canhões de Agosto”, ela escreveu: “Os seres humanos, como os planos, se mostram falíveis na presença daqueles ingredientes que estão ausentes nos exercícios militares - perigo, morte e munição real”. Todos os planos de nações grandes e pequenas para impedir a repetição da chamada gripe espanhola de 1918, que devastou as trincheiras da França, têm se mostrado amplamente ineficazes. O mundo agora está sujeito ao perigo e à morte de Tuchman - o perigo da pandemia descontrolada e o crescente número de mortes decorrentes dela. O ingrediente que falta hoje na munição real pode, se as mentes mais sensatas não prevalecerem, resultar em “canhões de agosto” modernos. O distúrbio econômico contínuo e o aprofundamento da recessão global são tudo o que é necessário como  catalisadores dos impasses militares do Himalaia e do Mar do Sul da China às águas caribenhas da Venezuela e do paralelo 38 da Coreia para transformá-los em zonas quentes de guerra intencional ou acidentalmente.

* * *

"Vivemos no tempo do fim. Os sinais dos tempos, a cumprirem-se rapidamente, declaram que a vinda de Cristo está próxima, às portas. Os dias em que vivemos são solenes e importantes. O Espírito de Deus está, gradual mas seguramente, sendo retirado da Terra. Pragas e juízos estão já caindo sobre os desprezadores da graça de Deus. As calamidades em terra e mar, as condições sociais agitadas, os rumores de guerra, são portentosos. Prenunciam a proximidade de acontecimentos da maior importância." - Ellen G. White, Beneficência Social, p. 134.

"Levantem-se as nações e sigam para o vale de Josafá; porque ali me assentarei para julgar todas as nações em redor. Lançai a foice, porque está madura a seara; vinde, pisai, porque o lagar está cheio, os seus compartimentos transbordam, porquanto a sua malícia é grande. Multidões, multidões no vale da Decisão! Porque o Dia do Senhor está perto, no vale da Decisão." - Joel 3:12-14.

0 comentários:

Postar um comentário