Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

sábado, 14 de janeiro de 2017

O evangelho eterno na perspectiva do juízo

Ao considerarmos a realidade do ministério sumo sacerdotal de Jesus Cristo em Seu santuário, uma obra que agora inclui o juízo, compreendemos com absoluta clareza a nota tônica do evangelho eterno para a geração do fim. Em Apocalipse 10, o "anjo forte" abre solenemente o selo das profecias de Daniel para o tempo do fim dentro do marco da sexta trombeta (Apocalipse 9:13-21), revelando a mensagem final que deve orientar a derradeira missão da igreja em preparação para o segundo advento de Cristo.


Os acontecimentos culminantes na história da salvação que têm lugar sob o toque da sétima trombeta (Apocalipse 11:15-18) dependem exclusivamente da obra de nosso Sumo Sacerdote no santuário celestial nas funções de Mediador e Juiz. A abertura do Lugar Santíssimo do santuário no Céu (verso 19) é o grandioso evento a partir do qual o domínio e o reino serão transferidos para Cristo e Seus santos, os ímpios mortos, julgados (Apocalipse 20:12-15), e os que destroem a Terra, destruídos para sempre.

É somente tendo em vista a realidade do juízo pré-advento como a etapa final da história da redenção que se pode entender a natureza da ênfase especial do evangelho à última geração e o sentido dos eventos que se seguirão até o pleno cumprimento de todas as promessas do Senhor ao Seu povo.

A profecia aberta

O fato de o "anjo forte" com o livrinho aberto na mão possuir características messiânicas (Apocalipse 10:1, comparar com 1:13-16), indicando tratar-se do próprio Salvador, revela a suprema importância do evento que se descreve aqui; em lugar de comissionar um mensageiro celeste para proclamar o evangelho em sua relação com o tempo do fim, o Senhor Jesus Cristo, pessoalmente, assume esta responsabilidade! Seu ato mais importante é revelado nos versos 5 a 7:

Então, o anjo que vi em pé sobre o mar e sobre a terra levantou a mão direita para o céu e jurou por aquele que vive pelos séculos dos séculos, o mesmo que criou o céu, a terra, o mar e tudo quanto neles existe: Já não haverá demora, mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando ele estiver para tocar a trombeta, cumprir-se-á, então, o mistério de Deus, segundo ele anunciou aos seus servos, os profetas.

Esta solene declaração de nosso amado Redentor é altamente significativa à luz da parte profética do livro de Daniel. Ela anuncia que os períodos de tempo ali mencionados foram cumpridos, e que a partir de agora já não haverá "demora" (no grego, chronos). O livro de Daniel, que estivera selado por tantos séculos, em cumprimento à ordem divina (Daniel 8:26; 12:4, 9), encontra-se aberto desde então, e o tempo do fim, marcado pelo início do juízo no Céu, começou sua marcha irreversível em direção à consumação do mistério de Deus!

Roy Allan Anderson escreve:

Enquanto esta profecia esteve selada e esta parte do livro de Daniel fechada, os homens foram incapazes de compreender ou interpretar a mensagem do juízo. Mas com o fim do domínio papal em 1798, os homens começaram a estudar esta profecia dos 2300 dias ou anos, com o incontido desejo de entendê-la. A profecia de Daniel declarava que o povo de Deus a entenderia; e assim foi. O desdobramento desta grande profecia levou muitos milhares à convicção de que a vinda do Senhor estava bem próxima, e milhares começaram a proclamar a mensagem da breve volta do Salvador. O grande despertamento religioso do século dezenove resultou deste intensivo estudo. Nada, desde os dias dos apóstolos, produziu maior interesse nas coisas espirituais, salvo a reforma do século dezenove. (1)

A comissão de Cristo à igreja do tempo do fim

Todavia, a sensação agridoce que João experimentou ao comer o livrinho aberto (Apocalipse 10:10) revela que a experiência de compreender as profecias da Daniel e proclamá-las não seria totalmente agradável. Nesta cena, João representa simbolicamente a primeira geração de crentes a obter uma experiência com o livro de Daniel recém-aberto, notadamente cumprida no movimento milerita, que surgiu na primeira metade do século XIX, em meio ao vívido interesse mundial nos eventos finais. A profecia mais determinante para isso foi a de Daniel 8:14:

Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado.

Miller e seus colaboradores não experimentaram o amargo sabor da decepção em virtude de algum erro no cálculo profético, que corretamente indicava o ano de 1844 como o tempo em que o santuário seria purificado, mas à interpretação do evento em si, que eles presumiram referir-se, seguindo o senso comum da época, à segunda vinda de Cristo.

Logo após a amarga experiência, João é instruído a profetizar novamente:

É necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis. (Apocalipse 10:11)

Note que esta nova comissão tem lugar exatamente depois da abertura do livro de Daniel e da multiplicação do conhecimento a seu respeito, isto é, após 1798, e no momento em que se inicia no Céu a purificação do santuário ou juízo pré-advento, em 1844. Significa que a igreja do tempo do fim, representada na pessoa de João, receberá um conhecimento progressivo das profecias outrora fechadas de Daniel, de modo que possa proclamar o evangelho eterno dentro do marco do tempo do fim!

Um conhecimento renovado das profecias de Daniel para este tempo deve, portanto, orientar a proclamação final do evangelho de Cristo em conexão com a Sua derradeira obra no santuário celestial, antes do soar da sétima trombeta (Apocalipse 11:15-18), quando então se consumará "o mistério de Deus, segundo ele anunciou aos seus servos, os profetas". Há aqui a garantia de nosso Senhor Jesus de que todas as profecias do tempo do fim cumprir-se-ão, que em breve o reino de Deus, a recompensa dos santos e a punição dos ímpios se tornarão uma realidade histórica irrevogável!

A consumação do mistério de Deus

O mistério de Deus é o mistério de Cristo, o qual esteve "guardado em silêncio nos tempos eternos, e que, agora, se tornou manifesto e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus eterno, para a obediência pela fé." (Romanos 16:25-26). Este mistério revela "que os gentios são co herdeiros, membros do mesmo corpo e co participantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho" (Efésios 3:6).

Com efeito, o mistério ou segredo de Deus se refere ao evangelho de Jesus Cristo, todo-abrangente e inalterável por natureza, porque está incorporado em Sua Pessoa e em Sua obra. Não admira que Apocalipse 14:6 use a expressão "evangelho eterno", única em toda a Bíblia e mencionada no livro do Apocalipse apenas uma vez. O fato desta mensagem tão singular ser revelada entre o soar da sexta e da sétima trombetas estabelece as linhas demarcatórias do tempo do fim até a consumação do mistério de Deus.

A propósito da comissão final de Cristo à Sua igreja no contexto do tempo do fim, Hans K. LaRondelle observa:

A ordem do Céu a João de profetizar "outra vez" sobre muitos povos e nações (Apoc. 10:11) significa, com toda probabilidade, que depois da chamada inicial de João para transmitir as mensagens de Cristo às igrejas (1:11), agora recebe a comissão para proclamar o evangelho eterno no marco das profecias do tempo do fim. João deve profetizar outra vez, mas com uma nova direção, a respeito dos acontecimentos do tempo do fim do plano divino de redenção. (2)

Em outras palavras, o chamado final de Cristo à Sua igreja ocorre dentro da perspectiva do cumprimento histórico das profecias do tempo do fim, as quais apontam para o início da obra de julgamento efetuada por nosso grande Sumo Sacerdote no santuário do Céu - a derradeira fase do programa divino de redenção antes da consumação do mistério de Deus! Este juízo decide quem de fato serão os co herdeiros e co participantes da promessa em Cristo.

A realização do mistério de Deus quando o sétimo anjo estiver para tocar a trombeta indica o anúncio final e abrangente do evangelho na obra dos três anjos de Apocalipse 14. Na verdade, a ordem que João recebe para profetizar novamente é dada a conhecer na tríplice mensagem angélica, que prepara um povo para estar em pé no grande Dia do Senhor. Nesta ocasião, o mistério de Cristo tornar-se-á uma realidade histórica para o Seu povo, culminando com o estabelecimento do reino eterno de Cristo!

O evangelho em nova perspectiva

Compreende-se então que a comissão de Cristo à igreja do tempo do fim, plenamente expressa na derradeira obra dos três anjos, é marcadamente orientada pelos eventos de natureza final e conclusiva que têm lugar no Céu, na sede divina de operações, e que dizem respeito ao juízo/purificação do santuário. Ao passo que os nomes dos falsos crentes são retirados do Livro da Vida, a justificação dos verdadeiros crentes é ratificada perante Deus pela virtude do sangue de Cristo. Seus nomes são conservados no Livro da Vida, e seus pecados, apagados para sempre dos registros celestiais!

É nesta solene perspectiva que devemos entender os apelos e advertências do evangelho eterno na voz dos três anjos de Apocalipse 14.


Notas e referências

1. Roy A. Anderson. Revelações do Apocalipse. Segunda Edição. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1988, p. 117 e 118.

2. Hans K. LaRondelle. As Profecias do Tempo do Fim. XVIII-O Refletor Profético Sobre o Povo de Deus do Tempo do Fim - Apocalipse 10.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.