Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Hillary: "Lutar pelo que é certo vale a pena"

Antes de retomar o tema de nossa última postagem, quero partilhar com os caros leitores um pensamento que me chamou a atenção no recente discurso de Obama sobre o resultado das eleições deste ano nos EUA. Dirigindo-se aos jovens que ingressaram na política pela primeira vez, o atual Presidente mencionou a seguinte frase de Hillary Clinton, proferida durante seu discurso de concessão de derrota: "Lutar pelo que é certo vale a pena".

Devo dizer que concordo plenamente com a ideia, mas não com os motivos da candidata democrata. Afinal, o que Hillary Clinton considera certo? Quem, aliás, estabelece os critérios para decidir o que é certo e o que é errado, e sobre quais fundamentos esta decisão é feita?


O Dr. Andrew Lobaczewski, em seu livro Ponerologia: Psicopatas no Poder (São Paulo: Vide Editorial, 2014), observa que a visão de mundo - cotidiana, habitual, psicológica, social e moral - é um produto do processo de desenvolvimento do homem dentro da sociedade, sob a influência constante de traços inatos. Essa é a razão por que a visão de mundo natural dos seres humanos não pode nem ser suficientemente universal, nem completamente verdadeira.

Uma vez que estamos sujeitos a uma visão de mundo natural que pode não refletir a realidade com suficiente confiabilidade, ainda que refinada pela melhor educação, é preciso recorrer a uma fonte exterior e, ao mesmo tempo, superior a nós, de maneira que possamos determinar em termos absolutos o certo e o errado. O cristão crê que esta fonte autorizada e infalível é a Palavra de Deus (II Timóteo 3:16-17; Hebreus 4:12).

É sobre esta fonte abalizada que o senso moral - a intuição que o homem possui quanto aos princípios morais e éticos mais elementares (Romanos 2:14-15) - encontra seu mais firme alicerce. Trata-se, pois, de uma autoridade segura para determinar o que é certo e verdadeiro, porquanto seu Autor, que transcende a tudo e a todos, é, Ele mesmo, a verdade (João 14:6).

Ora, a lei de Deus, expressão perfeita de Seu caráter (Salmo 119:142 e 151), estabelece em linhas claras e objetivas o padrão de conduta moralmente adequado, prevenindo contra uma revolução sem lei que destrua o tecido social e ameace os próprios fundamentos da vida.

Assim, os quatro primeiros mandamentos do Decálogo nos ordenam a colocar Deus em primeiro lugar, evitar a falsa adoração, não tomar o nome do Senhor em vão e manter santo o sábado do sétimo dia (Êxodo 20:3-11). Os seis últimos mandamentos exigem honrar os pais, não matar (o que certamente inclui a política do aborto indiscriminado), manter a fidelidade no casamento, abster-se de toda imoralidade sexual (incluindo todas as práticas contrárias ao plano original de Deus para o casamento, como as defendidas pela militância LGBT), não roubar, não mentir e não cobiçar (Êxodo 20:12-17). Nosso Senhor Jesus Cristo resumiu todos estes preceitos em dois grandes mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmos (Mateus 22:36-40).

Não estou sugerindo que o Governo deva obrigar seus cidadãos a honrar os Dez Mandamentos, mas que as decisões políticas não sejam, por outro lado, elaboradas de modo a desafiar a própria estrutura da realidade e da intuição humana no que diz respeito à moralidade. Trazer o pensamento politicamente correto para a arena política é tão grave quanto transformar crenças religiosas em políticas públicas.

Os princípios morais são um legado do Céu para benefício da humanidade. Medidas que anulam ou modificam a lei de Deus conduzem o mundo à ilegalidade e à rejeição de toda a restrição moral. A consequência é que as pessoas não sentem mais o devido apreço para com as leis nem inclinação para obedecê-las.

Vale à pena lutar pelo que é certo? Sem a menor sombra de dúvida, desde que o certo não represente interesses enviesados que, sob o manto dos melhores ideais, advogam justiça e liberdade somente para alguns, e não necessariamente para todos.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.