"Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus." (Ap 14:12)

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

EUA X Rússia: o prenúncio de uma crise decisiva?

A crescente tensão nas relações diplomáticas entre os Estados Unidos e a Rússia deveria chamar a atenção do povo de Deus, tendo em vista a sua evidente relevância e seus possíveis desdobramentos, os quais poderão abrir caminho para o cumprimento das porções finais das profecias bíblicas que ainda esperam sua plena realização, e que contêm nossas mais acalentadas esperanças.

Como se sabe, ambos os países tem interesses conflitantes na guerra civil que se prolonga na Síria há mais de cinco anos, e que já custou a vida de mais de 300 mil pessoas. A escalada das tensões entre as duas grandes potências nucleares do planeta - a maior desde os tempos da Guerra Fria - não só desvanece qualquer esperança pelo fim da guerra civil na Síria, como também lança a sombra ameaçadora de um possível conflito de âmbito mundial, com implicações em larga escala.


Recentemente, o Ministério do Exterior russo emitiu uma declaração vigorosamente redigida acusando o Pentágono de alimentar uma estratégia nuclear agressiva que ameaça a Rússia, observando que a atual doutrina militar russa prevê o uso de armas nucleares para se defender de um ataque com forças convencionais que ameassem a própria existência da Rússia como um Estado.

Na última segunda-feira (3 de outubro), os EUA suspenderam as negociações com a Rússia sobre um plano para pôr um fim às hostilidades na guerra civil da Síria, uma decisão tomada poucas horas depois de a Rússia suspender um acordo bilateral com os EUA para a eliminação de plutônio destinado ao uso bélico - 34 toneladas de material nuclear excedente.

No mesmo dia, o Ministério russo para o gerenciamento de emergências (EMERCOM) divulgou em seu site um treinamento de defesa civil em larga escala de 4 a 7 de outubro evolvendo autoridades executivas federais e regionais, governos locais e organizações de defesa civil. O objetivo é garantir que o país esteja devidamente preparado "para responder às catástrofes naturais e provocadas pelo homem e assumir as medidas de defesa civil".

O mega-exercício, envolvendo 40 milhões de pessoas, 200 mil especialistas das divisões de resgate e emergência e cerca de 50 mil unidades de equipamentos, prevê, entre outras situações, respostas adequadas ao risco de radiação, de modo a proteger a equipe de proteção química e biológica e a população em situações de emergência em instalações cruciais e potencialmente perigosas.

Segundo informações divulgadas no site do Independent, além do exercício de âmbito nacional, o EMERCOM anunciou sua intenção de construir instalações subterrâneas em Moscou destinadas a proteger cem por cento da população da capital no caso de um ataque nuclear. A Rússia está atualmente modernizando seu arsenal nuclear mediante a introdução de uma nova geração de bombardeiros nucleares de longo alcance, mísseis balísticos montados em caminhões e submarinos com armas nucleares.

Se tudo isso sugere uma Terceira Guerra Mundial, não há como saber com absoluta certeza. Contudo, a instabilidade geopolítica provocada pelos lances divergentes e dramáticos na guerra civil da Síria por parte das duas maiores potências nucleares do planeta e seus respectivos aliados enfraquece ainda mais as já delicadas relações internacionais, abaladas por uma crise econômica mundial que permanece sem solução satisfatória, exceto talvez pela via da guerra. Lembremos que o único precedente histórico para a atual crise que se arrasta desde 2008 é a Grande Depressão no fim dos anos 20, e que foi preciso uma guerra mundial para revertê-la.

Meu objetivo aqui não é alarmar ninguém, nem tampouco a igreja de Deus. No entanto, como povo que conhece o tempo (Romanos 13:11), não podemos nos comportar como um rebanho que desfruta pastos verdejantes, imaginando que eles continuarão vistosos e fartos por muito tempo. Uma crise sem paralelos está diante de nós. Precisamos nos desvencilhar de tudo o que nos separa de Deus agora. Precisamos humilhar-nos perante Ele, com jejuns e oração, e confessar e abandonar todas as nossas faltas e pecados. Precisamos esperar e apressar a vinda do Senhor enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar (João 9:4).

Que Deus nos ajude a estarmos preparados.


Atualização

Publicado originalmente em ZeroHedge, 13 de outubro de 2016.


O ministro do Exterior da Alemanha - Frank-Walter Steinmeier - escreveu no início deste mês que a tensão entre os EUA e a Rússia é pior do que no período da Guerra Fria.

É uma falácia pensar que isto é como a Guerra Fria. Os tempos atuais são diferentes e mais perigosos.

O chefe do serviço de inteligência da Grã-Bretanha, o MI6 - Sir John Sawyers - concordou ontem:

Estamos rumando em direção a uma era tão, se não mais perigosa, como na Guerra Fria porque nós não temos esse foco em um relacionamento estratégico entre Moscou e Washington.

O blog de Washington perguntou a um dos maiores especialistas da América sobre a Rússia, Stephen Cohen - professor emérito de estudos e políticas russas das Universidades de Nova York e Princeton, e autor de vários livros sobre a Rússia e a União Soviética - se ele achava que essas declarações eram exageradas.

Cohen respondeu que elas são precisas... e que estão dizendo a mesma coisa desde antes da anexação da Crimeia pela Rússia em 2014.

Isso é ainda mais dramático quando você percebe que os EUA e os soviéticos viveram no limite de uma guerra nuclear em numerosas ocasiões durante a Guerra Fria. E somente a coragem de indivíduos americanos e soviéticos que se recusaram obedecer à ordem de seus superiores para disparar armas nucleares - em virtude de interpretações equivocadas - salvou o planeta de uma guerra nuclear.

E muitos especialistas alertam que hoje estamos rumando em direção a uma guerra nuclear. De fato, o ex-secretário de Defesa dos EUA, William Perry, disse em fevereiro:

A probabilidade de uma catástrofe nuclear hoje é maior do que durante a Guerra Fria.


George Washington, "German Foreign Minister and Former MI6 Boss: US-Russia Tensions Now More Dangerous than During the Cold War".

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares

Postagens em destaque

É tempo de despertar. Antes que as três mensagens angélicas sejam proclamadas ao mundo (Apocalipse 14:6), elas devem exercer sua influência reavivadora e santificadora entre o professo povo de Deus.

A religião humanista da nova ordem. Muitos religiosos de hoje têm substituído a suficiência de Cristo pela suficiência humana, na esperança de estabelecer o reino de Deus na Terra.

A maior e mais urgente necessidade. A Testemunha Fiel e Verdadeira ainda clama a plenos pulmões pelo arrependimento e conversão de Seu povo, disposta a oferecer perdão, consagração e reavivamento espiritual.

O papel da Igreja na comunidade: uma reflexão. A ênfase na filantropia parece constituir a única maneira possível de tornar a Igreja socialmente relevante num mundo imediatista e ávido por resultados tangíveis.

A verdadeira e a falsa adoração. Ao revelar os muitos contrastes entre a verdadeira e a falsa adoração, o Apocalipse fornece informações preciosas para permanecermos fiéis a Deus e não ser seduzidos pelos apelos da religião popular.

Preparação para o Segundo Advento. O que a Bíblia ensina a respeito da preparação para o Segundo Advento? Existe alguma indicação de que precisamos fazer preparativos especiais além de expressar fé e amor ao Senhor Jesus Cristo?

Arquivo do Blog

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Seguidores

Siga-me por Email

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.
Scroll To Top