Blog dedicado ao estudo de Apocalipse 14:6 a 12.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

A marca da besta: um sinal de opressão

A marca da besta representa o poder e autoridade do anticristo, o qual não apenas se opõe a Cristo, mas também pretende ocupar o Seu lugar, assumindo para si prerrogativas exclusivamente divinas (Daniel 8:25; 11:36-37; II Tessalonicenses 2:3-4).


A mais evidente demonstração de tamanha insolência diz respeito à mudança introduzida na lei de Deus, especificamente no quarto mandamento, em que o sábado do Senhor foi substituído pelo domingo como dia de descanso (Daniel 7:25).

Em meus posts anteriores foram apresentadas amplas evidências de que esta alteração carece de embasamento bíblico e histórico, sendo justificada somente pela tradição que a Igreja reivindica como superior à autoridade das Escrituras.

Com efeito, a marca da besta constitui a marca da rebelião contra a autoridade e o governo de Deus, conforme expressos em Sua santa lei. Em contraste com a reforma espiritual proposta por Cristo em seu último grande apelo (Apocalipse 14:6-12), a Babilônia religiosa representa um movimento que conduz o mundo em direção à ilegalidade e à injustiça ao enaltecer leis e tradições de origem humana.

Ora, um poder religioso que se vale da tradição e que assume ilegalmente o direito divino não pode legitimar-se perante o mundo sem o apoio do poder civil. É por isso que a lógica por trás da mudança na lei de Deus e da aquiescência geral requer a união desses poderes, sem a qual o reconhecimento não será possível.

Em uma sociedade que ainda é, em grande medida, livre e democrática, o domingo tem sido exaltado como a solução para uma variedade de problemas humanos (veja um exemplo aqui). Ao mesmo tempo, e em resposta a essas necessidades, há uma crescente reivindicação da Igreja pelo reconhecimento público do descanso dominical, como na seguinte declaração de João Paulo II, em sua carta Dies Domini (#67, último parágrafo):

Por isso, é natural que os cristãos se esforcem para que, também nas circunstâncias específicas de nosso tempo, a legislação civil tenha em conta o seu dever de santificar o domingo. Em todo o caso, têm a obrigação de consciência de organizar o descanso dominical de forma que lhes seja possível participar na Eucaristia, abstendo-se dos trabalhos e negócios incompatíveis com a santificação do dia do Senhor...

Juntem-se a isso as ameaças de que são alvo a Primeira Emenda da Constituição americana. Recentemente, o senador republicano Orrin Hatch, em declarações proferidas no salão do Senado dos Estados Unidos, criticou o conceito de separação entre Igreja e Estado, alegando, entre outras coisas, o seguinte:

A doutrina errônea do muro de separação tem diminuído o papel da religião no discurso público, alimentando a visão de que a religião é um assunto privado em vez de um preceito fundamental da sociedade civil americana.

Este conjunto de tendências preocupantes anuncia a aurora de um novo mundo - um mundo em que o domingo será não só o sinal efetivo da autoridade que efetuou a mudança, como também a marca da opressão contra todos aqueles que desejarem servir a Deus segundo os ditames de sua própria consciência.

Neste sentido, o testemunho da história tem ainda muito que nos ensinar.

0 comentários :

Postar um comentário

Postagem em destaque

O sábado: base da verdadeira adoração

O sábado é uma verdade essencial dentro do apelo do primeiro anjo para adorar a Deus (Apocalipse 14:7), pois oferece o fundamento e as ra...

Postagens Populares

Curta nossa Página no Facebook

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Leitor voraz. Alguém que gosta de escrever. Cristão protestante de nascimento, apaixonado pelas profecias bíblicas.

Receba postagens por e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total de visualizações

Permitida a reprodução, desde que sejam mantidos os créditos do autor. Tecnologia do Blogger.